Covid-19: Grito Rock é o quarto evento cultural adiado em Cabo Verde

O festival Grito Rock tornou-se hoje no quarto evento cultural adiado em Cabo Verde, por causa do risco de infeção pelo novo coronavírus, depois do Kriol Jazz Festival, Atlantic Music Expo e Cabo Verde Music Awards.

Covid-19: Grito Rock é o quarto evento cultural adiado em Cabo Verde

Covid-19: Grito Rock é o quarto evento cultural adiado em Cabo Verde

O festival Grito Rock tornou-se hoje no quarto evento cultural adiado em Cabo Verde, por causa do risco de infeção pelo novo coronavírus, depois do Kriol Jazz Festival, Atlantic Music Expo e Cabo Verde Music Awards.

“Na sequência das diretrizes estabelecidas pela Direção-Geral de Saúde no Plano Nacional de Contingência para o Coronavírus, informamos que a 8ª edição do Grito Rock Praia 2020 fica adiada para data a indicar”, indicou hoje a organização do evento.

A decisão de adiar a 8.ª edição do festival, marcado para a próxima semana na cidade da Praia, surge após o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, ter anunciado o cancelamento até 30 de junho de todos os eventos internacionais no país, que reúnam um número elevado de participantes vindos de países assinalados com a epidemia.

O chefe do Governo anunciou a medida na terça-feira, durante a apresentação de um plano nacional de contingência para prevenção e controlo do Covid-19.

“Também esta é uma decisão que será sujeita a avaliação periódica da situação da epidemia a nível global e a nível de determinados países”, salientou Ulisses Correia e Silva, considerando que a melhor opção que o país tem é preparar-se para “qualquer eventualidade”.

Cabo Verde, que ainda não tem nenhum caso confirmado da doença, tem tomado outras medidas, sendo que uma delas foi o alargamento da interdição dos voos de Itália para o país até 30 de abril, bem como “vigilância apertada” nas viagens provenientes de França, Portugal e Espanha.

O plano de contingência do país dedica-se não só à prevenção e ação dos vários agentes, mas também à mobilização social, cuidados pessoais, acesso à informação e “blindagem à desinformação”, ainda segundo o chefe do Governo.

A pandemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.500 mortos em todo o mundo.

O número de infetados ultrapassou as 124 mil pessoas, com casos registados em 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 59 casos confirmados.

A China registou nas últimas 24 horas 15 novos casos de infeção pelo Covid-19, o número mais baixo desde que iniciou a contagem diária, em janeiro.

Até à meia-noite de quarta-feira (16:00 horas em Lisboa), o número de mortos na China continental, que exclui Macau e Hong Kong, subiu em 11, para 3.169. No total, o país soma 80.793 infetados.

Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto.

A Itália é o caso mais grave depois da China, com mais de 12.000 infetados e pelo menos 827 mortos, o que levou o Governo a decretar a quarentena em todo o país.

 

RIPE // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS