Covid-19: Governo brasileiro nomeia veterinário como diretor responsável por vacinação

O Governo brasileiro nomeou o médico veterinário Laurício Monteiro Cruz como novo diretor do departamento de imunizações e doenças transmissíveis do Ministério da Saúde, devendo liderar as discussões sobre a estratégia de vacinação contra a covid-19.

Covid-19: Governo brasileiro nomeia veterinário como diretor responsável por vacinação

Covid-19: Governo brasileiro nomeia veterinário como diretor responsável por vacinação

O Governo brasileiro nomeou o médico veterinário Laurício Monteiro Cruz como novo diretor do departamento de imunizações e doenças transmissíveis do Ministério da Saúde, devendo liderar as discussões sobre a estratégia de vacinação contra a covid-19.

A nomeação foi publicada hoje em Diário Oficial da União, e foi assinada pelo ministro interino da Saúde do Brasil, o general Eduardo Pazuello.

O departamento que Monteiro Cruz agora assumirá é responsável pelo Programa Nacional de Imunizações do Brasil, incluindo as campanhas de vacinação e a distribuição de imunizantes pelo território brasileiro, peça-chave no combate à pandemia da covid-19. O novo diretor preside ao Conselho Regional de Medicina Veterinária do Distrito Federal, que inclui a capital, Brasília, e é funcionário da Secretaria de Saúde daquele Governo distrital desde 1989, segundo a Plataforma Lattes, que compila currículos de investigadores brasileiros.

Monteiro Cruz é mestre em medicina veterinária pela Universidade de Brasília e fez especialização em vigilância sanitária, com foco na leishmaniose visceral em cães.

A nomeação do veterinário Cruz foi questionada pelo ex-secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira.

“Nada contra os veterinários, mas essa pessoa que colocaram para coordenar o Programa Nacional de Imunização é um veterinário sem experiência com imunização. É lamentável que estejamos vendo esse desmonte da Secretaria de vigilância em saúde”, disse Oliveira, citado pelo jornal Folha De S.Paulo.

Monteiro Cruz ocupará o lugar de Marcelo Wada, também formado em Medicina Veterinária, mas com mestrado em saúde coletiva e que era funcionário de carreira do Ministério da Saúde. Especializou-se ainda em epidemiologia pela Universidade Johns Hopkins, nos Estado Unidos, uma das maiores referências académicas no estudo da pandemia da covid-19.

O Brasil totaliza 120.828 vítimas mortais e 3.862.311 casos de infeção pelo novo coronavírus, sendo o segundo país do mundo com maior número de infetados e mortos, apenas atrás dos Estados Unidos da América.

Com cerca de 212 milhões de habitantes e um elevado número de casos, o país sul-americano é considerado um laboratório ideal para testar várias potenciais vacinas, com farmacêuticas a procurarem agora verificar a sua eficácia e segurança.

Há duas semanas, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), organismo tutelado pelo Ministério da Saúde, aprovou o início dos ensaios clínicos no Brasil de uma nova vacina contra a covid-19, a quarta a ser experimentada no país contra o vírus.

A multinacional Johnson&Johnson recebeu autorização para testar a sua vacina em estudos clínicos na fase três (com milhares de pessoas), o que já está a ser feito no Brasil com imunizantes desenvolvidos pelo Reino Unido (AstraZeneca e Universidade de Oxford), China (Sinovac Biotech), e pelo consórcio BioNTech (Alemanha) e Wyeth/Pfizer (Estados Unidos).

Já na semana passada, o Governo do estado brasileiro do Paraná informou que deve submeter à Anvisa, dentro dos próximos 30 dias, o protocolo de validação para a fase três de estudos clínicos da vacina russa no país.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 847.071 mortos e infetou mais de 25,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

LEIA MAIS Meteorologia: Previsão do tempo para terça-feira, 1 de setembro

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS