Covid-19: Maiores de 18 anos começam a ser vacinados já em julho

No Parlamento, Gouveia e Melo explica que os problemas que têm acontecido na vacinação (com alguns dias bem abaixo do expectável) não aparecem “por falta de capacidade dos nossos sistemas”, mas antes porque não existem “vacinas suficientes”.

Covid-19: Maiores de 18 anos começam a ser vacinados já em julho

Covid-19: Maiores de 18 anos começam a ser vacinados já em julho

No Parlamento, Gouveia e Melo explica que os problemas que têm acontecido na vacinação (com alguns dias bem abaixo do expectável) não aparecem “por falta de capacidade dos nossos sistemas”, mas antes porque não existem “vacinas suficientes”.

O vice-almirante Henrique Gouveia e Melo acaba de anunciar que a vacinação das faixas etárias acima dos 18 anos vai começar a 4 de julho. “Dentro de duas semanas vamos ter todas as faixas etárias em processo de vacinação”, disse o vice-almirante.

No entanto, a meta de vacinar com a primeira dose pelo menos 70% da população portuguesa até 8 de agosto pode atrasar-se até 15 dias. A informação foi avançada há minutos pelo coordenador da task force da vacinação. No Parlamento, Gouveia e Melo explica que os problemas que têm acontecido na vacinação (com alguns dias bem abaixo do expectável) não aparecem “por falta de capacidade dos nossos sistemas”, mas antes porque não existem “vacinas suficientes”. “Os planos têm sido sempre revistos em baixa e os prazos de entrega puxados para a frente”, lamenta. “Estamos a vacinar o máximo que podemos. Temos stocks muito limitados”.

Para além da falta de vacinas, o outro problema é a irregularidade dos stocks disponíveis: “há trimestres que começam por ter falta de doses e acabam com um ritmo superior, o que torna a situação imprevisível e dinâmica”. Outra preocupação “forte” prende-se com a variante Delta, uma vez que estudos britânicos indicam que uma dose da vacina da AstraZeneca só tem 30% de eficácia contra a variante.

Garantindo estar a fazer o melhor que pode, o vice-almirante confirma as projeções já conhecidas da vacinação (47% da população já recebeu a primeira dose, perto de 30% a segunda) e diz que estamos num momento de “aceleração do processo de vacinação”, embora com o problema que a imprevisibilidade dos stocks provoca e com a preocupação de “equilibrar as regiões” e as doses que recebem.

Semana histórica em Portugal

O coordenador da task-force congratula-se por esta semana ter sido possível, pela primeira vez, fazer “de forma sistemática” mais de 100 mil inoculações por dia. Aumentando os horários, sublinha, Portugal poderá vacinar até 140 mil por dia.

O vice-almirante indica que Portugal deve atingir os 70% de imunizados durante as três primeiras semanas de agosto. A última atualização apontava que esse valor seria atingido a 08 de agosto, mas a escassez de vacinas deverá atrasar essa previsão em cerca de duas semanas.

Para facilitar o processo de vacinação, nos casos de quem não é chamado para tomar a segunda dose da vacina, em algumas freguesias do país as autoridades estão a pedir à população que se dirija aos centros de vacinação sem agendamento a partir de uma certa hora, caso tenha sido vacinado num determinado período de tempo.

Henrique Gouveia e Melo diz que não tem falta de recursos humanos na task force, também graças ao apoio das autarquias. Mas tem dúvidas sobre como é que os recursos humanos vão reagir à chegada da época de férias e ao cansaço, embora tenha “promessas” de que eles vão ser mantidos ou mesmo reforçados durante o verão.

Mudança no autoagendamento

Até agora, no que dizia respeito às faixas etárias acima dos 50 anos, e para não diminuir o ritmo de vacinação, a task force abria a vacinação na faixa etária seguinte quando 60% a 70% dos indivíduos no grupo etário acima estavam inoculados. De acordo com o vice-almirante, em relação às faixas etárias abaixo dos 50 anos, inicia-se a vacinação numa dada faixa etária quando o grupo etário acima tem 40% dos indivíduos inoculados.

LEIA AINDA
Principais sintomas da covid-19 mudaram. Estes são os sinais a ter em atenção
Principais sintomas da covid-19 mudaram. Estes são os sinais a ter em atenção
Os dois principais sintomas de infeção pela covid-19 já não são os mesmos, sugere estudo. Muitas pessoas podem não estar a ser corretamente diagnosticadas como consequência disso. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS