Covid-19: Fronteiras de Ovar fecham-se quarta-feira devido a estado de “calamidade”

O município de Ovar, declarado em situação de calamidade pública, passa na quarta-feira a controlar as entradas e saídas no concelho, assim como a circulação de pessoas que estejam na rua sem ser por “necessidade premente”.

Covid-19: Fronteiras de Ovar fecham-se quarta-feira devido a estado de

Covid-19: Fronteiras de Ovar fecham-se quarta-feira devido a estado de “calamidade”

O município de Ovar, declarado em situação de calamidade pública, passa na quarta-feira a controlar as entradas e saídas no concelho, assim como a circulação de pessoas que estejam na rua sem ser por “necessidade premente”.

A decisão de controlo de fronteiras e tomada pelo Ministério da Administração Interna, em articulação com o Ministério da Saúde e com a autarquia do distrito de Aveiro, resulta de uma situação de “contaminação comunitária pela Covid-19”, que dá já por confirmados 28 casos de infeção pelo novo coronavírus e uma grande probabilidade de dezenas de outros casos em análise virem a ser diagnosticados como positivos.

O presidente da Câmara de Ovar, Salvador Malheiro, descreve o momento atual como “crítico, histórico e caótico”, defendendo que a única maneira de se travar o contágio é “eliminar o contacto social presencial” entre os 55.000 habitantes do concelho.

“Temos todos que ficar em casa e encerrar tudo o que pudermos”, afirma.

A atividade empresarial no município de Ovar ficará assim restringida aos setores que comercializam bens de primeira necessidade – venda ou produção de alimentação, medicamentos e combustível, por exemplo – e vai envolver “cercas sanitárias” que permitam às forças de segurança controlar o fluxo de população a entrar e sair do território.

O vice-presidente da autarquia, Domingos Silva, explicou que ainda estão a ser delineadas as operações concretas que permitirão instituir esse controlo, mas admitiu que, tendo o concelho vários pontos viários de acesso ao território, “é provável que algumas estradas sejam cortadas e só outras fiquem a funcionar”.

Quanto à circulação ferroviária, “os comboios vão ter que circular sem paragens na zona entre Esmoriz e Válega”, isto é, entre as estações nos extremos norte e sul do município.

A circulação individual no território, por sua vez, continuará a poder fazer-se “com as devidas cautelas”, até porque não foi implementado o regime de recolher obrigatório” mas a população deve estar preparada para a qualquer momento “poder ser interpelada pelas forças de segurança para explicar o que anda a fazer na rua”.

Caso a circulação não se deva a “necessidades prementes”, os cidadãos em causa podem ser alvo de contraordenações que implicarão sempre “algumas centenas de euros” em multa.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 180.000 pessoas, das quais mais de 7.000 morreram e 75.000 recuperaram.

O surto começou em dezembro na China, que regista a maioria dos casos, e espalhou-se entretanto por mais de 145 países e territórios. Na Europa há mais 67.000 infetados e pelo menos 2.684 mortos, a maioria dos quais em Itália, Espanha e França.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje número de casos confirmados de infeção para 448, mais 117 do que na segunda-feira, dia em que se registou a primeira morte no país.

Dos casos confirmados, 242 estão a recuperar em casa e 206 estão internados, 17 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos. Há ainda a assinalar mais 4.030 casos suspeitos até hoje, dos quais 323 aguardam resultado laboratorial.

Do total de cidadãos infetados em Portugal, três recuperaram.

O país está em estado de alerta desde sexta-feira, tendo o Governo colocado os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

AYC // LIL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS