França é primeiro a recomendar só uma dose da vacina para pessoas já infetadas

As autoridades sanitárias de França recomendaram hoje a administração de apenas uma dose da vacina contra a covid-19 a pessoas que já tenham sido infetadas com o novo coronavírus, tornando-se o primeiro país a fazê-lo.

França é primeiro a recomendar só uma dose da vacina para pessoas já infetadas

França é primeiro a recomendar só uma dose da vacina para pessoas já infetadas

As autoridades sanitárias de França recomendaram hoje a administração de apenas uma dose da vacina contra a covid-19 a pessoas que já tenham sido infetadas com o novo coronavírus, tornando-se o primeiro país a fazê-lo.

As autoridades sanitárias de França recomendaram hoje a administração de apenas uma dose da vacina contra a covid-19 a pessoas que já tenham sido infetadas com o novo coronavírus, tornando-se o primeiro país a fazê-lo.

As pessoas curadas da covid-19 “já desenvolveram na altura da infeção uma memória imunológica. A dose única da vacina irá desempenhar assim a função de um aviso”, explicou a Alta Autoridade de Saúde francesa no seu parecer, que ainda não recebeu a aprovação do Governo.

No mesmo parecer, a autoridade francesa recomenda esperar “mais de três meses” após o registo da doença, “de preferência seis meses” antes de injetar a dose única da vacina.

“Até à data, nenhum país tomou uma posição clara sobre uma vacinação de dose única para as pessoas que contraíram covid-19 antes da vacinação”, sublinhou o organismo.

Nos últimos dias, esta hipótese foi mencionada em vários estudos realizados nos Estados Unidos da América e em Itália, análises que ainda não foram avaliadas por outros cientistas.

Entre outros argumentos, os investigadores envolvidos nestes estudos assinalaram que dar uma única dose da vacina a pessoas que já tenham contraído o SARS-Cov-2 poderá possibilitar a poupança de doses num contexto de escassez de oferta.

O executivo francês normalmente acata os pareceres da Alta Autoridade de Saúde.

Uma das exceções ocorreu no final de janeiro, quando o Governo francês considerou que o prazo previsto entre a toma das duas doses da vacina Pfizer/BioNTech não podia ser dilatado, contrariando assim uma recomendação emitida alguns dias antes pela Alta Autoridade de Saúde.

As autoridades sanitárias francesas estão a apostar fortemente na progressão da campanha de vacinação para fazer frente à situação epidémica registada no país, que continua frágil, mas também admitem que há ainda um longo caminho a percorrer.

Segundo dados relativos a quinta-feira, 2.135.333 pessoas já receberam pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19 em França, das quais 535.775 pessoas já foram inoculadas com duas doses.

Desde o início da crise pandémica, 3,4 milhões de casos de infeções pelo novo coronavírus foram diagnosticados (e confirmados por testes) em França.

É provável que o número de pessoas que contraíram o vírus em França possa ser maior, especialmente durante a primeira vaga de infeções, altura em que a capacidade de testagem era inferior.

Três vacinas contra a covid-19 estão atualmente autorizadas na União Europeia: Pfizer/BioNTech, Moderna e AstraZeneca/Oxford.

Todas requerem a administração de duas doses para serem eficazes em pessoas que nunca tiveram contacto com o SARS-Cov-2.

A vacina da Johnson & Johnson, que está em processo de avaliação pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA), requer apenas de uma dose.

A pandemia da doença covid-19 provocou pelo menos 2.368.493 mortos no mundo, resultantes de mais de 107,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 LEIA MAIS

Meteorologia: Previsão do tempo para sábado, 13 de fevereiro

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS