Covid-19: Eurogrupo voltará a reunir-se no prazo de duas semanas – Centeno

O presidente do Eurogrupo congratulou-se hoje com a adoção pelo Conselho Europeu das propostas para a resposta de emergência à crise da covid-19 e anunciou que os ministros das Finanças voltarão a reunir-se no prazo de duas semanas.

Covid-19: Eurogrupo voltará a reunir-se no prazo de duas semanas - Centeno

Covid-19: Eurogrupo voltará a reunir-se no prazo de duas semanas – Centeno

O presidente do Eurogrupo congratulou-se hoje com a adoção pelo Conselho Europeu das propostas para a resposta de emergência à crise da covid-19 e anunciou que os ministros das Finanças voltarão a reunir-se no prazo de duas semanas.

Em mensagens publicadas na sua conta oficial na rede social Twitter, Mário Centeno, que participou na cimeira de líderes da União Europeia, por videoconferência, destacou que o Conselho aprovou as “redes de segurança” para países, empresas e trabalhadores, num montante global superior a 500 mil milhões de euros, acordadas há duas semanas pelo Eurogrupo, e disse esperar agora que as mesmas estejam operacionais “até 01 de junho” próximo.

Notando que o Conselho encarregou a Comissão Europeia de apresentar com caráter de urgência uma proposta concreta sobre o futuro fundo de recuperação da economia europeia para o pós-pandemia, Centeno indicou então que “o Eurogrupo vai voltar a reunir-se dentro das próximas duas semanas para retomar o seu trabalho neste dossiê”.

“Mostrámos que podemos agir rapidamente e apresentar resultados, estamos prontos a fazê-lo de novo”, escreveu o presidente do Eurogrupo.

Os chefes de Estado e de Governo dos 27 encarregaram a Comissão Europeia de apresentar urgentemente uma proposta de fundo de recuperação da economia europeia para superar a crise provocada pela pandemia de covid-19, tendo a presidente do executivo comunitário afirmado que a sua intenção é ter pronta uma proposta abrangente — que inclua o fundo e um ‘novo’ orçamento da UE para 2021-2027 – “na primeira ou segunda semana de maio”.

Aprovado ficou já o pacote de emergência acordado pelos ministros das Finanças, constituído por três “redes de segurança”: uma linha de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade, através da quais os Estados-membros podem requerer até 2% do respetivo Produto Interno Bruto para despesas direta ou indiretamente relacionadas com cuidados de saúde, tratamentos e prevenção da covid-19, um fundo de garantia pan-europeu do Banco Europeu de Investimento para empresas em dificuldades, e o programa “Surre” para salvaguardar postos de trabalho através de esquemas de desemprego temporário.

Segundo o presidente do Conselho, Charles Michel, todos os Estados-membros também expressaram hoje a vontade de que estas “redes de segurança” estejam operacionais dentro de sensivelmente um mês, em 01 de junho.

ACC/ANE // SR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS