Ensaios clínicos com plasma de doentes recuperados vão arrancar em 10 serviços

Ensaios clínicos com plasma de sangue de doentes recuperados da covid-19 vão arrancar este mês em 10 unidades distribuídas pelo país, revelou o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST).

Ensaios clínicos com plasma de doentes recuperados vão arrancar em 10 serviços

Ensaios clínicos com plasma de doentes recuperados vão arrancar em 10 serviços

Ensaios clínicos com plasma de sangue de doentes recuperados da covid-19 vão arrancar este mês em 10 unidades distribuídas pelo país, revelou o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST).

Ensaios clínicos com plasma de sangue de doentes recuperados da covid-19 vão arrancar este mês em 10 unidades distribuídas pelo país, revelou o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST).

LEIA DEPOIS
Meteorologia: Previsão do tempo para sexta-feira, 1 de maio

Depois de a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, ter anunciado na semana passada a criação de uma “task force nacional” para realizar um ensaio clínico alargado para perceber se o uso de plasma humano é seguro no tratamento da infeção pelo SARS-CoV-2, o coronavírus que provoca acovid-19, o IPST já avaliou as capacidades técnicas e logísticas existentes nos serviços de imuno-hemoterapia para a colheita por aférese, um procedimento que permite separar os diferentes componentes do sangue.

«Durante o mês de maio proceder-se-á ao recrutamento voluntário de doentes»

“Não só os três Centros de Sangue e Transplantação do IPST – Lisboa, Porto e Coimbra – realizarão esta colheita, como também três serviços de imuno-hemoterapia na região Norte, um na região Centro e três na região Sul”, afirmou a presidente do Conselho Diretivo do IPST, Maria Antónia Escoval, em resposta enviada à Lusa.

Além da identificação destes 10 serviços, o IPST garantiu já ter definido um procedimento e “as diretrizes para a seleção de dadores, colheita, análise, processamento, armazenamento e distribuição de plasma convalescente” aos serviços dos hospitais, onde os médicos e as equipas prescritoras vão ter a responsabilidade da realização dos ensaios.

“Durante o mês de maio proceder-se-á ao recrutamento voluntário de doentes convalescentes e à sensibilização dos mesmos através dos médicos assistentes”, esclareceu Maria Antónia Escoval, acrescentando que “em simultâneo, um grupo de trabalho, no âmbito do Ministério da Saúde, definirá os critérios mínimos de inclusão e exclusão dos doentes para entrarem em ensaios clínicos”.

Ensaios com plasma humano para tratar doentes com covid-19 já tiveram lugar na China e em Itália, denotando resultados promissores, apesar do âmbito restrito dos mesmos. Em Portugal, o arranque do ensaio vai ser feito através de um apelo aos doentes recuperados para a dádiva – embora o IPST tenha admitido que “não é a única” solução disponível –, sendo que a demonstração de vontade de participação poderá ser feita pela internet.

Questionada sobre a existência de riscos associados à transfusão de plasma convalescente para doentes com covid-19, como um hipotético aumento do risco de infeção reportado em casos raros no tratamento de outras patologias, a presidente do Conselho Diretivo do IPST vincou que “os benefícios parecem superar os riscos” e que a minimização destes riscos “está associada à seleção dos dadores”.

No lançamento dos ensaios clínicos com plasma anunciados pela Direção-Geral da Saúde (DGS) estão ainda envolvidos o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) e o Infarmed. Questionadas pela Lusa sobre o papel a assumir neste processo, as duas entidades remeteram por agora quaisquer explicações para o IPST, ao qual foi atribuída a coordenação do ensaio.

LEIA MAIS
Governo prepara-se para anunciar cancelamento dos festivais de música de verão

 

Pontos de Venda das Nossas Revistas

Impala Instagram


RELACIONADOS