Covid-19: Cuidados intensivos na Europa estão à beira do limite – Cruz Vermelha

A Cruz Vermelha Internacional pediu à Europa para “não tirar o pé do acelerador” no combate à pandemia, alertando que os cuidados intensivos em muitas cidades já estão perto do limite.

Covid-19: Cuidados intensivos na Europa estão à beira do limite - Cruz Vermelha

Covid-19: Cuidados intensivos na Europa estão à beira do limite – Cruz Vermelha

A Cruz Vermelha Internacional pediu à Europa para “não tirar o pé do acelerador” no combate à pandemia, alertando que os cuidados intensivos em muitas cidades já estão perto do limite.

Genebra, 22 out 2020 (Lusa) — A Cruz Vermelha Internacional pediu hoje à Europa para “não tirar o pé do acelerador” no combate à pandemia de covid-19, alertando que as unidades de cuidados intensivos em muitas cidades europeias já estão perto do limite da capacidade.

A organização internacional referiu, por exemplo, que numa parte da Bélgica — país que registou um recorde diário de 13.227 novos casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas — as unidades de cuidados intensivos já atingiram os níveis máximos de capacidade.

Zonas em países como França, Rússia, Roménia, Ucrânia e República Checa também estão a aproximar-se de uma situação semelhante, segundo alertou a organização num comunicado, citado pelas agências internacionais.

“Há um grande salto no número de hospitalizações e muitos países relatam que vão atingir o limite nas suas unidades de cuidados intensivos nas próximas semanas”, indicou a diretora regional da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV), Birgitte Bischoff Ebbesen.

A representante realçou que o continente europeu tem atualmente a taxa de novos casos de infeção mais alta do mundo, três vezes maior do que a registada na primeira vaga da pandemia, entre março e abril.

O coordenador regional para a saúde e assistência da FICV, Davron Mukhamadiev, acrescentou, por sua vez, que o tempo de hospitalização dos doentes também está a aumentar, sendo agora o dobro, e até o triplo, face aos meses com menos internamentos.

A par de um possível aumento dos óbitos associados diretamente à doença covid-19 na Europa durante o período do outono e do inverno, Davron Mukhamadiev alertou que outras potenciais mortes serão registadas no continente europeu devido a causas indiretas, uma vez que, por causa da atual crise sanitária, as pessoas têm maior dificuldade em receber tratamentos para outras patologias, como doenças coronárias e oncológicas, tuberculose, entre outras.

A pandemia da doença covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 41,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A Europa é a terceira região do mundo mais afetada pela pandemia, contabilizando um total de 8,3 milhões de pessoas infetadas.

Ao nível dos óbitos, é a segunda região com mais vítimas, já tendo ultrapassado a barreira dos 260 mil mortos.

Em Portugal, morreram 2.229 pessoas dos 106.271 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente (quarta-feira) da Direção-Geral da Saúde.

Relativamente aos internamentos hospitalares, o mesmo boletim revelou que existiam então mais 35 pessoas internadas, totalizando 1.272, e 187 em cuidados intensivos, mais 11 em relação a terça-feira.

A doença é transmitida por um novo coronavírus (SARS-Cov-2) detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

SCA (CMP) // FPA

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS