Covid-19. Costa salienta que a sua ministra da Saúde tem confiança política “até reforçada”

António Costa disse que Marta Temido “tem confiança política até reforçada” e que o Governo privilegia a via do acordo e só recorrerá à requisição dos privados caso não exista outro remédio

Covid-19. Costa salienta que a sua ministra da Saúde tem confiança política

Covid-19. Costa salienta que a sua ministra da Saúde tem confiança política “até reforçada”

António Costa disse que Marta Temido “tem confiança política até reforçada” e que o Governo privilegia a via do acordo e só recorrerá à requisição dos privados caso não exista outro remédio

O primeiro-ministro afirmou hoje que a ministra da Saúde tem “confiança política até reforçada”, e adiantou que o Governo privilegiará a via do acordo e só recorrerá à requisição de hospitais privados caso não exista outro remédio.

Estas posições foram transmitidas por António Costa em entrevista à Antena 1, horas antes de a Assembleia da República votar o projeto de decreto do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para a vigência do estado de emergência em Portugal entre 09 e 23 deste mês.

Questionado se mantém a confiança política em Marta Temido no atual quadro de pressão sobre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) face ao aumento continuo de pessoas internadas com covid-19, António Costa respondeu: “Com certeza, diria mesmo [confiança política] até reforçada”.

“Nenhum ministro da Saúde até hoje foi sujeito a uma prova tão dura como a atual. Acho que a ministra da Saúde tem dado a resposta que tem reforçado a confiança das pessoas no SNS”, sustentou o primeiro-ministro.

Na entrevista, António Costa foi também confrontado com críticas por o seu Governo, numa fase difícil para o SNS, não estar a recorrer à contratualização com os setores privado e social da saúde.

“Se chegarmos a acordo (como temos estado a chegar) com muitos hospitais privados para podermos ter apoio, será excelente. Se tivermos que requisitar, que remédio teremos”, disse o líder do executivo, numa alusão ao facto de o decreto de estado de emergência prever o recurso pelas autoridades públicas a meios e instalações dos setores privado e social.

Em relação ao projeto de decreto presidencial de estado de emergência que hoje será votado pelo parlamento, António Costa reiterou a tese de que esse diploma visa sobretudo “dar segurança jurídica a situações que têm existido e que têm suscitado debates” em matéria de respeito ou não pela Constituição da República, designadamente no que respeita às limitações à circulação, à medição de temperatura, ou à possibilidade de haver apoio de funcionários público “que estão em isolamento mas que podem apoiar operações de saúde”.

“Mas isso não quer dizer que as medidas [incluídas no projeto de decreto de estado de emergência] tenham de ser todas adotadas”, advertiu.

LEIA MAIS

Meteorologia: Previsão do tempo para sexta-feira, 6 de novembro

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS