Covid-19: Cabo Verde vacinou mais de 14 mil pessoas e reforça fiscalização — PM

Cabo Verde já vacinou mais de 14 mil pessoas contra a covid-19, em pouco mais de um mês, disse hoje o primeiro-ministro, anunciando um reforço da fiscalização a partir do fim de semana para controlar o recrudescimento de casos.

Covid-19: Cabo Verde vacinou mais de 14 mil pessoas e reforça fiscalização -- PM

Covid-19: Cabo Verde vacinou mais de 14 mil pessoas e reforça fiscalização — PM

Cabo Verde já vacinou mais de 14 mil pessoas contra a covid-19, em pouco mais de um mês, disse hoje o primeiro-ministro, anunciando um reforço da fiscalização a partir do fim de semana para controlar o recrudescimento de casos.

“A vacinação está a ir a um bom ritmo, mais de 14 mil pessoas vacinadas a nível nacional. A nossa intenção é atingir a meta que definimos, até ao final deste ano termos pelo menos 70% da população em idade em ser vacinada com a vacinação”, afirmou Ulisses Correia e Silva, durante a visita a um centro de saúde na cidade da Praia. 

Cabo Verde recebeu 24.000 doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca em 12 de março e 5.850 da Pfizer dois dias depois, com o plano de vacinação nacional a iniciar-se em 19 de março.

As doses já recebidas em Cabo Verde inserem-se num total de 108 mil a fornecer pela AstraZeneca ao abrigo da Covax, iniciativa promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que visa garantir uma vacinação equitativa contra o novo coronavírus. 

O primeiro-ministro disse que o país ainda tem vacinas disponíveis das primeiras doses recebidas em março, e nas próximas semanas espera receber mais, também no âmbito do mesmo mecanismo internacional. 

“Temos também compromissos com Portugal e outros países que podem fornecer ou via donativo ou via aquisição, para podermos atingir as metas que pretendemos”, perspetivou Correia e Silva, esperando em maio ter “uma boa quantidade de vacina”. 

Além da vacinação, o chefe do Governo disse ser importante passar uma mensagem de proteção, com uso de máscaras, distanciamento, higienização, as únicas formas de dar “um combate muito forte” à pandemia. 

“Ter em atenção que temos tido casos a aumentar, particularmente na cidade da Praia, em São Vicente, no Sal e na Boa Vista, e temos de continuar a fazer um bom combate”, prosseguiu Correia e Silva, indicando que a partir do fim de semana vai haver um reforço da fiscalização. 

“Não vão ser permitidas festas particulares, nem em lugares públicos, nem festas organizadas por entidades públicas, porque está identificado que é nestas festas que tem estado a acontecer casos de contágio. As pessoas têm que compreender que todos nós temos que dar um contributo positivo para protegermos a nós mesmos e proteger os outros”, apelou. 

No caso das praias de mar, o primeiro-ministro garantiu que não vão ser fechadas, mas afirmou que também vão ser objeto de maior fiscalização, para evitar ajuntamentos, particularmente nas praias pequenas. 

“Vamos continuar também a fiscalizar o uso de máscaras em locais de atendimento público, tudo que sejam restaurantes, bares, lojas, supermercados. O serviço de atendimento tem que garantir o uso de máscaras e fazer uma forte ação também a nível de comunicação e informação”, continuou Ulisses Correia e Silva. 

Na terça-feira, o primeiro-ministro descartou o estado de emergência, explicando que esse período pressupõe um conjunto de consequências económicas e sociais, com o encerramento de serviços, de empresas, que dificultam ainda mais a vida das pessoas. 

Cabo Verde registava na quinta-feira 21.500 casos positivos acumulados de covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 199 óbitos e 2.598 casos ativos. 

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.073.969 mortos no mundo, resultantes de mais de 144,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. 

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

 

RIPE // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS