Covid-19: Brasil contabiliza 201 mortes e 8.429 casos nas últimas 24 horas

O Brasil contabilizou 201 mortes e 8.429 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 150.689 óbitos e 5.103.408 infetados desde o início da pandemia, informou hoje o executivo.

Covid-19: Brasil contabiliza 201 mortes e 8.429 casos nas últimas 24 horas

Covid-19: Brasil contabiliza 201 mortes e 8.429 casos nas últimas 24 horas

O Brasil contabilizou 201 mortes e 8.429 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 150.689 óbitos e 5.103.408 infetados desde o início da pandemia, informou hoje o executivo.

Segundo o Ministério da Saúde brasileiro, estão ainda sob investigação 2.407 mortes, que poderão eventualmente relacionadas com o novo coronavírus.

A taxa de letalidade da doença no Brasil mantém-se em 3%, enquanto que a taxa de incidência é agora de 71,7 mortes e 2.428,5 casos por cada 100 mil habitantes.

Além de ser o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, o Brasil é também uma das nações com maior número total de recuperados. No momento, 4.495.269 pessoas diagnosticadas recuperaram da covid-19 no país sul-americano e 457.450 infetados estão sob acompanhamento médico.

São Paulo (1.038.344), Bahia (326.634), Minas Gerais (323.967) e Rio de Janeiro (283.858) são os estados com mais casos de infeção pelo novo coronavírus.

A lista de unidades federativas com mais mortes é liderada também por São Paulo (37.279), sendo seguida pelo Rio de Janeiro (19.312), Ceará (9.135) e Pernambuco (8.414).

Nenhuma das 27 unidades federativas do país apresenta uma taxa de incidência da doença inferior a 1.000 casos por 100.000 habitantes.

O diretor executivo do programa de emergências sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, afirmou hoje que dados recentes mostram estabilização e queda dos casos de covid-19 no Brasil, mas alertou que essa tendência ocorre a partir de números “muito, muito altos”.

“Dizer que a doença está a cair no Brasil é algo positivo. (…) Mas o facto de a doença estar a desacelerar não significa que ela não vá ganhar força de novo. (…)O Brasil é um país grande e precisamos ter atenção aos lugares onde os números ainda seguem em alta”, disse Michael Ryan.

Em pleno feriado nacional, devido à comemoração do dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, praias ficaram lotadas em vários pontos do país, com banhitas a provocar aglomerações e a não usarem máscara para proteção contra a covid-19, desrespeitando leis e orientações das autoridades locais.

Devido à pandemia de covid-19, as homenagens à padroeira do Brasil foram reduzidas, embora centenas de fiéis se tenham deslocado ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, na cidade de Aparecida do Norte, a 170 quilómetros de São Paulo, apesar do número ter sido consideravelmente inferior ao de anos anteriores, quando se reuniram mais de 170 mil devotos.

Várias excursões organizadas a partir de diferentes partes do país foram canceladas devido às limitações estabelecidas pela crise sanitária do novo coronavírus.

A maioria das comemorações previstas para o Dia de Nossa Senhora Aparecida foram canceladas para os fiéis, enquanto a missa em homenagem à Virgem, celebrada pelo arcebispo Orlando Brandes, contou apenas com cerca de mil devotos.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e setenta e sete mil mortos e mais de 37,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

MYMM // RBF

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS