Covid-19: BE insiste na requisição civil e critica “hipocrisia” de quem tenta “atirar culpas”

A coordenadora do BE voltou hoje a apelar diretamente ao primeiro-ministro para que use a requisição civil para ajudar o SNS, criticando ainda a “hipocrisia” de quem tenta “atirar culpas” no momento mais grave da pandemia no país.

Covid-19: BE insiste na requisição civil e critica

Covid-19: BE insiste na requisição civil e critica “hipocrisia” de quem tenta “atirar culpas”

A coordenadora do BE voltou hoje a apelar diretamente ao primeiro-ministro para que use a requisição civil para ajudar o SNS, criticando ainda a “hipocrisia” de quem tenta “atirar culpas” no momento mais grave da pandemia no país.

A coordenadora do BE voltou hoje a apelar diretamente ao primeiro-ministro para que use a requisição civil para ajudar o SNS, criticando ainda a “hipocrisia” de quem tenta “atirar culpas” no momento mais grave da pandemia no país.

“Quando os privados depois de meses de negociação não são capazes de por a disponibilidade do estado sequer 10% da sua capacidade, se não é agora que os requisitamos, quando? Quando temos hospitais de campanha do SNS que não podem abrir porque não têm profissionais suficientes, mas há profissionais e instalações no privado e não os requisitamos agora, senão agora, quando? Quando?”, questionou a deputada.

Catarina Martins falava no plenário no primeiro debate do ano com o primeiro-ministro sobre política geral, na Assembleia da República, onde voltou a insistir na necessidade de requisitar toda a capacidade hospitalar instalada no país, num dia em que Portugal voltou a bater recordes, com 218 mortos por covid-19.

A bloquista argumentou ainda que “o que os privados estão a pôr ao serviço do país por acordo não chega a 8% da sua capacidade, são apenas 800 camas não covid e 80 camas covid”, rematando para António Costa: “não chega senhor primeiro ministro, não chega”.

Mas Catarina Martins abriu a sua intervenção, depois de o primeiro-ministro ter ouvido bastantes críticas do líder da bancada social-democrata, criticando a “hipocrisia” de quem tenta “atirar culpas”.

“Tivemos divergências nos vários momentos e a democracia não pára sobre o que fazer, mas é uma imensa hipocrisia tentarmos atirar culpas de um lado para o outro como se alguém aqui tivesse uma solução milagrosa para o que está a acontecer”, atirou, reparo que mereceu reação por parte de alguns deputados do PSD.

Catarina Martins garantiu que é importante discutir divergências ,”mas o que a responsabilidade nos pede neste momento não é o passa culpas mas sim o debater as soluções”.

 

 

Impala Instagram


RELACIONADOS