Covid-19: Bairro português em Malaca assinala São João e São Pedro

O bairro português em Malaca vai assinalar o São João e para a semana o São Pedro, apesar de este ano as celebrações serem mais restritas devido à covid-19.

Covid-19: Bairro português em Malaca assinala São João e São Pedro

Covid-19: Bairro português em Malaca assinala São João e São Pedro

O bairro português em Malaca vai assinalar o São João e para a semana o São Pedro, apesar de este ano as celebrações serem mais restritas devido à covid-19.

Malaca, Malásia, 23 jun 2020 (Lusa) – O bairro português em Malaca vai hoje assinalar o São João e para a semana o São Pedro, apesar de este ano as celebrações serem mais restritas devido à covid-19, disse à Lusa um dos seus representantes.

“Apesar da atual pandemia mundial”, frisou Joseph Santa Maria, os lusodescendentes do bairro português em Malaca “vão fazer as suas celebrações tradições do San Juang (São João) e do San Pedro (São Pedro)”, tradição que “remonta há vários séculos, introduzida pelos portugueses”.

Os cerca de mil a dois mil lusodescendentes em mais de 110 casas vão acender velas “na frente das casas hoje à noite”, garantiu o representante da minoria luso-malaia perante o estado de Malaca.

Além disso, sublinhou Joseph Santa Maria, “as tradições também incluem crianças vestidas com roupas verdes”, uma cor que representa a “pureza das crianças”.

Já na próxima semana, em 29 de junho, é assinalado o São Pedro.

“Estamos a planear algo também com o apoio do Governo para permitir que as restrições da covid-19 sejam agora um pouco mais flexíveis. Esperamos ter um programa de uma hora, em particular a bênção dos barcos de pesca, que é feita todos os anos”, afirmou.

No ano passado, o então secretário de Estado das Comunidades Portugueses, José Luís Carneiro, participou na procissão e bênção dos barcos de pesca, dois eventos que juntam centenas de luso-malaios no Bairro Português da cidade, após ter marcado presença na 2.ª Conferência das Comunidades Portuguesas na Ásia.

Em 2019, o encontro juntou no Bairro Português de Malaca representantes das comunidades asiáticas descendentes de portugueses, numa iniciativa de partilha das raízes culturais, com cerca de 300 luso-asiáticos, de várias comunidades do continente.

A relação de Portugal com Malaca remonta a 1509 quando Diogo Lopes Sequeira, enviado do Rei D. Manuel, aportou em Malaca para estabelecer relações com o soberano local e dois anos mais tarde Afonso de Albuquerque desembarcou em Malaca, demoliu a Grande Mesquita, e levantou no local uma fortaleza que seria um importante entreposto comercial.

Na mesma altura surge o crioulo de matriz portuguesa kristang, uma língua agora ameaçada de extinção, que emprega a maior parte do seu vocabulário do português, mas a sua estrutura gramatical é semelhante ao malaio e extrai as suas influências dos dialetos chinês e indiano.

Depois de 100 anos de domínio português, a cidade foi tomada pelos holandeses, depois pelos ingleses, até à independência da Malásia, em 1957.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 472 mil mortos e infetou mais de 9,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

MIM // LFS

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS