Covid-19: Associação sindical alerta para riscos que polícias correm nas operações Stop

A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) alertou hoje para os riscos de contágio que os polícias correm no controlo de trânsito, no âmbito do estado de emergência, e defendeu que deve ser repensada a utilidade destas operações.

Covid-19: Associação sindical alerta para riscos que polícias correm nas operações Stop

Covid-19: Associação sindical alerta para riscos que polícias correm nas operações Stop

A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) alertou hoje para os riscos de contágio que os polícias correm no controlo de trânsito, no âmbito do estado de emergência, e defendeu que deve ser repensada a utilidade destas operações.

“Há que repensar a utilidade destas operações com vários polícias a trabalharem em equipa confinados no interior de viaturas da PSP, aumentando as possibilidades de contágio” pelo novo coronavírus, adiantou a ASPP/PSP em comunicado.

Segundo a estrutura sindical, os polícias estão neste momento a correr riscos com o “sucessivo aumento das operações” de controlo de viaturas, que incluem a fiscalização de documentação, com a “passagem dos referidos autos e o pagamento imediato da respetiva multa”.

“Além de uma maior possibilidade de infeção, tanto pelos condutores como pelos polícias, este aumento de controlo de trânsito desloca o efetivo (fragilizado) para as necessárias operações de controlo das pessoas em quadro pandémico”, refere a ASPP/PSP, que alerta ainda para a inexistência de equipas em “espelho” devido à falta de efetivos.

A ASPP/PSP defende ainda que as viaturas da PSP devem estar dotadas de material para desinfeção de mãos e máscaras FP2, com maior capacidade de proteção contra infeções.

Na segunda-feira, a direção nacional da PSP anunciou que “suspendeu o plano de formação policial e o gozo de férias, tendo criado equipas policiais exclusivamente dedicadas à fiscalização” das medidas do estado de emergência, tendo ainda requisitado os elementos da Polícia Municipal do Porto.

Um despacho do diretor nacional da PSP, da semana passada, decidiu dar prioridade “à ação fiscalizadora do cumprimento das restrições impostas” pelo estado de emergência relativamente a outras ocorrências policiais que não coloquem em risco a integridade física ou a vida das pessoas e que sejam utilizadas “todas as valências” da polícia.

Para reforçar a visibilidade policial, foi igualmente decidido colocar na atividade operacional os polícias que estão a exercer funções nos serviços administrativos.

Em Portugal, morreram 11.305 pessoas dos 668.951 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

PC (CC) // JMR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS