Covid-19: Açores também suspendem administração de vacinas da AstraZeneca

Os Açores vão também suspender a administração da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca, avançou à Lusa o diretor regional da Saúde.

Covid-19: Açores também suspendem administração de vacinas da AstraZeneca

Covid-19: Açores também suspendem administração de vacinas da AstraZeneca

Os Açores vão também suspender a administração da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca, avançou à Lusa o diretor regional da Saúde.

Os Açores vão também suspender a administração da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca, avançou hoje à Lusa o diretor regional da Saúde, adiantando que a região tem ainda cerca de 4.000 doses dessa vacina.

“Vamos alinhar com aquilo que são as orientações e o que ficou determinado pela DGS, pelo Infarmed e pela ‘task force’ da suspensão temporária, até ser feita a reavaliação da segurança das vacinas da AstraZeneca”, afirmou à Lusa Berto Cabral.

O diretor regional da Saúde explicou que, das 8.500 doses desta vacina que chegaram ao arquipélago no dia 03 de março, há ainda cerca de 4.000 doses por administrar.

“Não se trata de doses perdidas, porque, no fundo, não é uma retirada destas vacinas do circuito, é uma suspensão para reavaliação”, garante o responsável, acrescentando que estas “têm um período de conservação muito grande”.

Berto Cabral esclarece que as cerca de 4.000 doses que aguardam pelo parecer da Agência Europeia do Medicamento se destinavam a “profissionais de saúde do privado, às forças de segurança” e a “doentes entre 50 e 65 anos” com “insuficiência cardíaca, doença coronária e insuficiência respiratória”.

Depois de o secretário regional da Saúde, Clélio Meneses, ter afirmado hoje que a região espera receber em abril 40.000 doses de vacinas, da Pfizer, que permitiriam concluir a 1.ª fase da vacinação prevista no plano regional, o diretor regional afirma que a suspensão definitiva da inoculação da AstraZeneca pode causar ainda mais atrasos no processo.

“É de temer que, se houver uma suspensão definitiva da AstraZeneca, e tendo em conta que todo o país, e toda a Europa, ficam com uma quantidade significativa de vacinas que não serão administradas, se houver uma redistribuição das vacinas da Pfizer, poderão chegar menos”, concretiza.

A decisão pela suspensão da administração da vacina em Portugal ocorre apenas um dia depois de Infarmed e DGS terem declarado que a vacina da AstraZeneca podia continuar a ser administrada, frisando que não havia evidência de ligação com os casos tromboembólicos registados noutros países. Entretanto, o país continua a utilizar as vacinas da Pfizer/BioNTech e da Moderna, autorizadas pela Agência Europeia do Medicamento.

Espanha, Itália, Alemanha, França, Noruega, Áustria, Estónia, Lituânia, Letónia, Luxemburgo e Dinamarca, além de outros países, incluindo fora da Europa, já interromperam por “precaução” o uso da vacina da AstraZeneca, após relatos de casos graves de coágulos sanguíneos em pessoas que foram vacinadas com doses do fármaco da AstraZeneca.

A empresa já disse que não há motivo para preocupação com a sua vacina e que houve menos casos de trombose relatados nas pessoas que receberam a injeção do que na população em geral.

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) e a Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmaram que os dados disponíveis não sugerem que a vacina da AstraZeneca tenha causado os coágulos e que as pessoas podem continuar a ser imunizadas com esse fármaco.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou, entretanto, que o comité de especialistas desta agência das Nações Unidas “está a rever os dados disponíveis” sobre a vacina desenvolvida pelo laboratório sueco e pela Universidade de Oxford e vai reunir-se na terça-feira para discutir a vacina.

Em Portugal, a pandemia de covid-19 já provocou a morte de 16.694 pessoas dos 814.513 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

 

Impala Instagram


RELACIONADOS