Coronavírus | A evolução do surto que está a abalar o Mundo

Conheça a evolução do novo coronavírus, o covid-19, desde o momento em que, em 31 de dezembro de 2019, a China comunicou à OMS «uma misteriosa pneumonia em Wuhan».

Coronavírus | A evolução do surto que está a abalar o Mundo

Coronavírus | A evolução do surto que está a abalar o Mundo

Conheça a evolução do novo coronavírus, o covid-19, desde o momento em que, em 31 de dezembro de 2019, a China comunicou à OMS «uma misteriosa pneumonia em Wuhan».

Tudo terá começado antes, mas as autoridades chinesas tentaram, alegadamente, fazer segredo de «uma misteriosa pneumonia»: o novo coronavírus, a sétima mutação da estirpe batizada entretanto de covid-19.

01. O princípio, em Wuhan

Em 31 de dezembro de 2019, a China notifica a Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre «uma misteriosa pneumonia» em Wuhan, cidade com cerca de 11 milhões de habitantes. Vários especialistas lançam-se na tentativa internacional de identificação do agente que causou a «misteriosa pneumonia». Supõe-se, naquele momento, que tenha tido origem num mercado de marisco da cidade, encerrado de imediato por precaução. O primeiro comunicado aponta para «40 pessoas infetadas».

02. Uma nova estirpe de coronavírus

Os investigadores descartam tratar-se do vírus Sars, doença respiratória mortal originária também da China, em 2002, que matou perto de 800 pessoas. Em 7 de janeiro, cientistas chineses anunciam ter identificado um novo vírus, da estirpe do coronavírus. A sétima ‘evolução’ do vírus provoca febre, tosse, dificuldades respiratórias e evolui muitas das vezes para pneumonia.

03. A primeira morte em território chinês

Em 11 de janeiro de 2020, a China anuncia a primeira morte provocada pelo novo coronavírus. Tratava-se de um homem de 61 anos que tinha feito compras no mercado de Wuhan. Morreu na sequência de complicações pneumónicas.

04. Vírus chega aos países vizinhos

Tailândia e Japão relatam, nos dias seguintes, casos de infecções em pessoas que tinham visitado o mesmo mercado de Wuhan, onde, entretanto, é confirmada a segunda morte. Até 20 de janeiro, tinham morrido três pessoas dos mais de 200 casos de infeção relatados na China.

05. Transmissão de humano para humano

Investigadores de todo o mundo concentram-se na tentativa de descobrir a forma de transmissão do vírus com características zoonóticas – ou seja: podem ser transmitidos de animais para pessoas. Alguns dos sete tipos de coronavírus até agora descobertos podem ser transmitidos por tosse e por espirros. Grande parte dos aeroportos do mundo passam a controlar os passageiros vindos da China. Em 20 de janeiro, confirma-se que o vírus pode ser transmitido entre humanos.

06. Milhões obrigados a quarentena

Em 23 de janeiro, Wuhan é colocada sob quarentena. A medida pretende limitar a propagação do vírus. Os transportes coletivos são suspensos. Dá-se início à construção de um novo hospital para tratar infectados, que fica pronto em pouco mais de uma semana. Um dia depois, 24 de janeiro, a confirmação de casos de infeção está nos 830 e o número de mortos sobe para 26. Além de Whuan, mais 13 cidades chinesas entram em quarentena. Pelo menos 36 milhões de pessoas estão impedidas de se movimentarem.

07. Emergência internacional

O número de casos confirmados fora da China sobe. Há infetados em países como Coreia do Sul, Estados Unidos da América, Nepal, Tailândia, Hong Kong, Singapura, Malásia e Taiwan. À medida que o número de infecções cresce, a Organização Mundial da Saúde determina que é «muito cedo» para declarar emergência global de saúde pública.

08. Primeiros casos na Europa

Em 24 de janeiro, a França confirma três casos. O novo coronavírus chega à Europa. Horas depois, a Austrália anuncia que quatro pessoas estão infectadas.

09. Cancelamento de festividades

As comemorações do Ano Novo chinês começam em 25 de janeiro. Para controlar o surto, as autoridades cancelam grande parte dos eventos festivos para evitar as viagens internas de milhões entre cidades. O número de mortos sobe. Há 41 óbitos e mais de 1300 infectados em todo o mundo. Em 2 de feveiro, os 17 portugueses a residirem em Whuan chegam a Paris, repatriados a pedido de Portugal e com a concordância das autoridades chinesas. Dali voam depois para Portugal, onde cumprem 14 dias de quarentena. Nenhum estava infetado.

10. Prolongamento de férias na China

Antes, ainda no fim de janeiro, 17 cidades chinesas, e mais de 50 milhões de pessoas, estão isoladas. As férias de Ano Novo são prolongadas para limitar o fluxo de pessoas. O Camboja confirma o primeiro caso. A Mongólia fecha a fronteira com a China. A Rússia suspende o turismo para a China. O coronavírus começa a ter impacto negativo de milhares de milhões de euros na economia global.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Impala.pt (@impala.pt) a

Impala Instagram


RELACIONADOS