Convenção Nacional da Saúde apresenta ferramenta que vai avaliar sistema de saúde

A Convenção Nacional da Saúde apresenta hoje uma “ferramenta” inovadora que vai permitir avaliar objetivamente o sistema de saúde, sinalizando os pontos fortes e as fragilidades, ajudando à melhoria do setor.

Convenção Nacional da Saúde apresenta ferramenta que vai avaliar sistema de saúde

Convenção Nacional da Saúde apresenta ferramenta que vai avaliar sistema de saúde

A Convenção Nacional da Saúde apresenta hoje uma “ferramenta” inovadora que vai permitir avaliar objetivamente o sistema de saúde, sinalizando os pontos fortes e as fragilidades, ajudando à melhoria do setor.

O Relatório de Avaliação do Desempenho e Impacto do Sistema de Saúde (RADIS), que terá periodicidade anual, foi “prometido e anunciado” há dois anos e é fruto de um trabalho realizado por um conjunto de especialistas de várias áreas, como médicos, economistas e farmacêuticos, disse à agência Lusa o presidente da CNS, Eurico Castro Alves.

“Trata-se de um sistema que avalia a prestação de cuidados de saúde em Portugal aos seus mais diversos níveis, em termos de acesso, em termos de qualidade, em termos de valor de saúde, de prevenção e ensino da literacia em saúde aos doentes”, adiantou.

Todos estes parâmetros vão ser medidos de “uma forma quantificada, muito certa”, sem “impressões subjetivas”, dando “uma noção muito concreta” do que está a acontecer no sistema de saúde, disse Eurico Castro Alves.

Para isso, vão ser utilizados os indicadores nacionais que são publicados todos os anos como, por exemplo, o número de consultas realizadas, o número de doentes em lista de espera para cirurgia, quantas pessoas ficaram sem médico de família, explicou.

“Isto vai-nos permitir identificar o que está a melhorar, o que está parado ou até mesmo o que possa estar a piorar e com isto surgem as oportunidades de quem tem o poder da decisão governativa” de melhorar o sistema de saúde, corrigindo as fragilidades apontadas.

No seu entender, o RADIS é um “contributo fundamental” para se poderem tomar decisões “com rigor e objetividade”.

“É uma ferramenta indispensável. É pena, não existir há mais tempo”, comentou Eurico Castro Alves, que presidirá hoje à abertura da Convenção Nacional da Saúde, em Lisboa.

Por outro lado, apontou, também é um instrumento de “grande relevância social”: “Demonstra o sentido cívico da Convenção Nacional da Saúde, que está a dar um contributo importante para o progresso do país”, declarou, apelando à participação dos cidadãos no evento que vai decorrer na Ordem dos Médicos, em Lisboa.

“Gostávamos de ter na nossa apresentação (…) uma grande participação não só das pessoas do setor, mas também dos cidadãos, para perceberem que há quem esteja seriamente preocupado em aumentar e resolver a prestação dos cuidados de saúde em Portugal”, disse o presidente da CNS, organização que congrega mais de 170 instituições do setor da saúde.

“O RADIS permite avaliar a cada ano se o sistema de saúde português está centrado nos cidadãos, se baseia no valor em saúde e é capaz de produzir saúde e bem-estar. Isto é, se está a cumprir, como todos desejamos, a sua função de cuidar”, salienta.

Segundo a Convenção Nacional da Saúde, os dados disponíveis assumem-se também como uma ferramenta relevante para comparar o sistema de saúde nacional com outros a nível europeu.

HN // ZO

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS