Conselheiro expressa reservas sobre qualidade do ensino do português em Macau

O conselheiro das comunidades portuguesas em Macau José Pereira Coutinho expressou reservas sobre a qualidade dos tradutores e do ensino português no território cuja transferência da administração de Portugal para a China aconteceu em 1999.

Conselheiro expressa reservas sobre qualidade do ensino do português em Macau

Conselheiro expressa reservas sobre qualidade do ensino do português em Macau

O conselheiro das comunidades portuguesas em Macau José Pereira Coutinho expressou reservas sobre a qualidade dos tradutores e do ensino português no território cuja transferência da administração de Portugal para a China aconteceu em 1999.

Um dos grandes “desafios é a qualidade do ensino. Tenho algumas reservas não só quanto a alguns docentes do secundário, como universitário porque é o cozinheiro ou o padeiro que faz o pão”, disse aquele que é também o único deputado português na Assembleia Legislativa de Macau.

“É muto importante termos pessoas qualificadas”, insistiu, afirmando que há vários exemplos que legitimam as suas reservas: “Muito recentemente, a nível da tradução, o Governo de Macau resolveu contratar tradutores do interior do continente, alegando exatamente o problema da qualidade do ensino da língua portuguesa cá em Macau”.

“Temos a Lei Básica [míni-constituição] que os diz que o português é língua oficial”, ressalvou José Pereira Coutinho, para sustentar que não importam apenas os números, mas a qualidade de ensino nas escolas para que se chegue á conclusão de que “valeu a pena investir recursos humanos e financeiros para promoção da língua portuguesa em Macau”.

As declarações do conselheiro das comunidades portuguesas foram realizadas à margem do congresso internacional “Macau e a Língua Portuguesa: Novas Pontes a Oriente”, promovido pelo Instituto Português do Oriente (IPOR) e o Instituto Politécnico de Macau (IPM), que reúne no território investigadores de 18 países.

Numa das intervenções de abertura, o assessor do gabinete do secretários para os Assuntos Sociais e Cultura Rafael Gama apresentou dados que demonstram que o ensino do português cresceu em Macau em alunos, professores e nas escolas nos últimos 20 anos sob administração chinesa.

No arranque da iniciativa, que termina no sábado, o diretor do IPOR sublinhou a importância do evento num momento de “reconhecimento do português como língua global” e o número alargado de investigadores oriundos de 18 países.

Já a vice-presidente do IPM, Vivian Lei Ngan Lin, salientou que o português “une o oriente e ocidente”, que este “tem evidenciado um aumento significativo em todo o mundo” e destacou o trabalho da instituição que representa na formação de quadros qualificados, em especial na área da tradução chinês-português”, uma aposta no âmbito do pape de Macau enquanto plataforma de cooperação comercial entre a China e os países lusófonos.

Por fim, o cônsul-geral de Portugal em Macau, Paulo Cunha-Alves, frisou o facto de que no centro da amizade entre o oriente e ocidente não podia deixar de estar a língua portuguesa, não só como meio de comunicação, mas também como instrumento facilitador de negócios e de partilha cultural.

Até sábado serão divulgados no congresso os resultados de trabalhos de investigação desenvolvidos em áreas ligadas à língua portuguesa e serão dados a conhecer avanços e inovação no ensino e aprendizagem, sendo que o evento tem como foco especial a realidade do ensino e da aprendizagem na Ásia.

Na iniciativa pretende-se também testemunhar o papel de forte relevo que Macau desempenha nas dinâmicas pedagógicas e científicas em campos que vão da língua à cultura, ou das literaturas às atividades da tradução e interpretação.

A organização sublinhou a participação de seis palestrantes de “referência internacional”: Philip Rothwell, da Universidade de Oxford; Filinto Elísio, professor, romancista e ensaísta de Cabo Verde; Inês Duarte, Catedrática da Universidade de Lisboa; Maria Helena Nóbrega, docente da Universidade de São Paulo; Cristina Martins, da Universidade de Coimbra; e Carlos Morais, da Universidade de Aveiro.

JMC // MIM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS