Companhia Nacional de Bailado estreia espetáculo com viagem pela história da dança

Um espetáculo que faz uma viagem pela história da dança e reflete sobre o poder desta linguagem artística vai estrear-se no sábado, pela Companhia Nacional de Bailado (CNB), dirigido a crianças e famílias, no Teatro Camões, em Lisboa.

Companhia Nacional de Bailado estreia espetáculo com viagem pela história da dança

Companhia Nacional de Bailado estreia espetáculo com viagem pela história da dança

Um espetáculo que faz uma viagem pela história da dança e reflete sobre o poder desta linguagem artística vai estrear-se no sábado, pela Companhia Nacional de Bailado (CNB), dirigido a crianças e famílias, no Teatro Camões, em Lisboa.

O novo espetáculo, segundo capítulo do programa “Planeta Dança”, criado pela coreógrafa Sónia Batista especialmente para o público infanto-juvenil e famílias, estreia-se no sábado, e volta ao palco no domingo, e ainda a 31 de outubro, 07 e 08 de novembro, com sessões às 11:30 e às 15:00.

Estreado em fevereiro de 2020, o programa começou por dar a conhecer as origens do movimento, e como as diferentes culturas se expressavam, desde o gregos aos romanos, passando pelos egípcios, numa sofisticação que se vai organizando de forma mais codificada, até chegar ao período do Renascimento.

Neste espetáculo em estreia absoluta – previsto inicialmente para ser apresentado em março, mas adiado devido à pandemia de covid-19 – é abordada a forma como a linguagem da dança começa a evoluir como expressão artística e política, explorando as questões do poder ligado à arte e como esta o serviu.

O espetáculo produzido pela CNB tem direção, escrita e coreografia de Sónia Baptista, espaço cénico de Carlos Bártolo, som de Steven Bird, imagem e vídeo de Raquel Melgue, figurinos de Isidro Paiva e interpretação de bailarinos da CNB.

Nascida em Lisboa, Sónia Baptista é formada em Dança Contemporânea pelo Fórum Dança e concluiu o grau de ‘Master Researcher’ em Coreografia e Performance da Universidade de Roehampton em Londres, no Reino Unido.

Recebeu, em 2001, o Prémio Ribeiro da Fonte de Revelação na área da dança, pela obra “Haikus”, o seu primeiro trabalho, atribuído pelo Ministério da Cultura.

No seu trabalho explora e experimenta com as linguagens da dança, performance, música, literatura, teatro e vídeo, e trabalha em direção de movimento e dramaturgia. Tem seis livros publicados e colabora com a CNB e com o Fórum Dança, entre outras entidades, em projetos pedagógicos.

“In the Fall the Fox” (2014), “A Falha de Onde a Luz” (2015), e “Assentar Sobre a Subida das Águas” (2016), são alguns dos seus trabalhos anteriores.

AG // TDI

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS