Comércio reabre no Porto entre filas nas barbearias e vazio em lojas de ‘gifts’

As lojas de comércio local da Baixa do Porto reabriram hoje com os lojistas de retrosarias e lojas de lembranças a esconderem o prejuízo de dois meses atrás das máscaras. Barbearias com filas à porta.

Comércio reabre no Porto entre filas nas barbearias e vazio em lojas de 'gifts'

Comércio reabre no Porto entre filas nas barbearias e vazio em lojas de ‘gifts’

As lojas de comércio local da Baixa do Porto reabriram hoje com os lojistas de retrosarias e lojas de lembranças a esconderem o prejuízo de dois meses atrás das máscaras. Barbearias com filas à porta.

O silêncio estava hoje presente nas lojas de lembranças ‘made in’ Portugal que desabrocharam no pós-crise económica de 2011 em cada esquina do Porto. Onde dantes havia turistas americanos a gastarem uma média 40 euros por um ‘gift’ e turistas angolanos a pagar 100 ou 200 euros por carteiras de pele, agora as lojas estão vazias de clientes, mas cheias de desinfetantes ao balcão e fitas de proteção.

LEIA DEPOIS
Graça Freitas alerta que viseira não protege bem dos espirros

«Prejuízo total nos 55 dias que a loja esteve fechada», confessa à Lusa a empresária Otília Machado, que abriu a loja Porto Gift, no centro da cidade, em 2014 e hoje de manhã reabriu o estabelecimento com a expectativa de reconquistar o ‘turista nacional’, porque o estrangeiro desapareceu das ruas.

A colocar uma fita de distanciamento vermelho para os clientes não se aproximarem do balcão, Otília Machado limpa os balcões e material e promete que só vai deixar entrar dois clientes de cada vez.

80% das vendas em loja eram para turistas

Otília Machado declara que 80% das vendas em loja eram para turistas, mas também reconhece que nesta altura “não há turismo”, “não há voos” e que, por isso, a sua esperança é no turista nacional, que também gosta do artesanato português.

Maria Guilhermina Lobo, 72 anos de idade e há 52 anos à frente da Botónia, reabriu hoje a sua retrosaria com 108 anos, mas os clientes presenciais teimaram em não aparecer e ainda só tinham chegado encomendas via telefone para noivas, que se vão casar em setembro.

De máscara na cara, gel desinfetante ao balcão e uma viseira preparada para quando os clientes começarem a entrar, Guilhermina Lobo confessa que “teve muito prejuízo” no tempo que fechou a loja. A loja centenária sobreviveu à crise financeira de 2011, mas Guilhermina Lobo assume que esta crise da pandemia é ainda pior e, embora esteja otimista, teme o futuro.

Barbeiro regressa em força ao trabalho

No Salão Ferreira o barbeiro José Ferreira não tem mãos a medir com os clientes que estão à porta, em fila, desde as 08:30. Em apenas uma hora e meia com as portas abertas, José Ferreira, barbeiro há mais de 50 anos, já ia no sexto cliente e a fila de espera à porta previa um dia de trabalho árduo.

Os clientes estão a fazer reservas, mas José Ferreira pede ao primeiro-ministro, António Costa, para rever a estratégia, porque defende que deve ser por “ordem de chegada”, tal como a clientela estava habituada.

“Dentro daquilo que eles têm dito na televisão, é dentro desses parâmetros que estou a funcionar também. À noite é tudo bem desinfetado, durante o dia desinfeto as ferramentas para cada cliente, sempre lavagem de mãos (…) e, aqui dentro, a casa estava sempre cheia e agora só duas ou três pessoas no máximo”, afirma.

“As pessoas acostumam-se a determinado corte”

Hoje, após dois meses de isolamento, Eduardo Fernandes, com a máscara colocada, estava ansioso por se sentar na cadeira do senhor Ferreira e voltar a fazer o seu corte preferido numa das barbearias mais antigas do Porto, localizada em Cedofeita e que ali funciona há cerca de 80 anos.

“As pessoas acostumam-se a determinado corte e era esse que eu precisava”, explicou Eduardo Fernandes, um dos primeiros clientes nesta manhã cinzenta e com chuva de reabertura do estabelecimento.

O barbeiro admite ter ficado “contente de abrir” o negócio, mas o tempo todo que esteve em casa foi um “prejuízo muito grande” e pede ao Governo para o ajudar a “pagar as despesas mensais”. “A nossa fonte de receita é aqui dentro. Isto fechado não se ganha. Não trabalhando o dinheiro vem de onde”, lança, triste pela situação de calamidade.

LEIA MAIS
Covid-19: Casamentos e aniversários são os grandes focos de transmissão e até o Natal está em risco
Marcelo: «Ainda temos de vencer a pandemia». «O surto não desapareceu por milagre»

1 – Aceda a www.lojadasrevistas.pt

2 – Escolha a sua revista

3 – Clique em COMPRAR ou ASSINAR

4 – Clique no ícone do carrinho de compras e depois em FINALIZAR COMPRA

5 – Introduza os seus dados e escolha o método de pagamento

6 – Pode pagar através de transferência bancária ou através de MB Way!

E está finalizado o processo! Continue connosco. Nós continuamos consigo.

Impala Instagram


RELACIONADOS