Cidadãos em quarentena estão bem, conforto será melhorado – ministra

As 20 pessoas que chegaram no domingo, da zona da China onde teve origem o novo coronavírus, cumpriram o primeiro dia de quarentena tranquilamente.

Cidadãos em quarentena estão bem, conforto será melhorado - ministra

Cidadãos em quarentena estão bem, conforto será melhorado – ministra

As 20 pessoas que chegaram no domingo, da zona da China onde teve origem o novo coronavírus, cumpriram o primeiro dia de quarentena tranquilamente.

Lisboa, 03 fev 2020 (Lusa) — As 20 pessoas que chegaram no domingo da zona da China onde teve origem o novo coronavírus cumpriram o primeiro dia de quarentena tranquilamente e estão a ser tomadas medidas adicionais de conforto, disse hoje a ministra da Saúde.

Marta Temido, com outros responsáveis do setor, fez o balanço em conferência de imprensa, um dia depois de 20 cidadãos (18 portugueses e dois brasileiros) terem chegado a Portugal, vindos de Wuhan, capital da província de Hubei, centro da China, epicentro de um surto do novo vírus (2019-nCoV) que já provocou a morte de mais de três centenas de pessoas.

A ministra fez um relato do que se passou desde que os 20 chegaram a Portugal, tendo quatro deles ficado instalados no Parque da Saúde e os restantes no Hospital Pulido Valente. O grupo esteve a descansar de manhã e durante a tarde foi visitado por profissionais de saúde, não havendo “elementos clínicos do estado de saúde a assinalar”.

“Estamos a garantir que os aspetos de conforto sejam melhorados”, já que não se trata de “instalações hoteleiras”, e há questões que estão a ser revistas, disse Marta Temido.

Além da ministra participaram na conferência de imprensa o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, e o presidente do Conselho Diretivo do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, Fernando Almeida.

Graça Freitas reafirmou que até agora nenhum dos cidadãos está com sintomas de qualquer doença e que “o ambiente é de modo geral tranquilo”.

Questionada pelos jornalistas a responsável disse que foram tomadas todas as medidas de precaução (para a tripulação) na viagem de avião de regresso dos passageiros a Portugal (e de outros cidadãos europeus no mesmo avião), disse que no grupo que está em quarentena pode haver contactos desde que sejam usadas máscaras (exceto nos que estiveram sempre juntos no último mês), e explicou que ainda não foi decidido quando será feita nova análise para despistar a existência de vírus.

As 20 pessoas estão em quarentena (14 dias) por opção, já que legalmente não são obrigadas, mas a ministra da Saúde disse, questionada sobre o caso de no futuro alguém se recusar à quarentena, que há meios legais para a impor.

Se houver necessidade “a lei permite proceder à separação de pessoas que não estando doentes podem constituir um risco”, disse Marta Temido, acrescentando: “há mecanismos que utilizaremos se assim for necessário”.

Graça Freitas explicou também que no caso de alguém do grupo de quarentena ter a doença pode acontecer que os restantes, se estiveram em contacto com essa pessoa, tenham de recomeçar a quarentena.

A diretora geral da Saúde admitiu também que os meios previstos para fazer face ao vírus podem aumentar, quer a nível de laboratórios quer de hospitais, o que foi corroborado pelo presidente do Instituto Nacional de Saúde, Fernando Almeida, dizendo que há no país, incluindo ilhas, uma rede de 20 laboratórios que trabalham com o Instituto e que podem fazer as análises.

Ainda nas respostas a perguntas dos jornalistas, nomeadamente sobre a proteção de profissionais que lidem com eventuais casos, a ministra disse que está a ser feita uma avaliação detalhada sobre a assistência aos dois casos em Portugal suspeitos (que se revelaram negativos depois), disse que vai haver um investimento “em mais melhorias” e garantiu que estão disponibilizadas batas, luvas e máscaras para todos os que necessitem.

A China elevou hoje para 362 mortos e mais de 17 mil infetados o balanço do surto de pneumonia provocado pelo novo coronavírus (2019-nCoV) detetado em dezembro passado, em Wuhan, que foi colocada sob quarentena.

Além do território continental da China e das regiões administrativas especiais chinesas de Macau e de Hong Kong, há mais casos de infeção confirmados em 24 outros países.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

FP // JMR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS