Cada quadro de Paula Rego é um dardo atirado contra o preconceito — Santos Silva

O presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, lamentou hoje a morte da pintora Paula Rego e considerou que cada quadro seu constituiu “um dardo atirado” contra o preconceito, a dominação e a indiferença.

Cada quadro de Paula Rego é um dardo atirado contra o preconceito -- Santos Silva

Cada quadro de Paula Rego é um dardo atirado contra o preconceito — Santos Silva

O presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, lamentou hoje a morte da pintora Paula Rego e considerou que cada quadro seu constituiu “um dardo atirado” contra o preconceito, a dominação e a indiferença.

A pintora Paula Rego, uma das mais aclamadas e premiadas artistas portuguesas a nível internacional, morreu na manhã de hoje em, aos 87 anos, disse à agência Lusa fonte próxima da família.

Na sua conta na rede social Twitter, o presidente da Assembleia da República escreveu: “Paula Rego soube explorar os nossos sonhos, os nossos medos, as nossas histórias, a nossa condição”.

Para Augusto Santos Silva, cada quadro de Paula Rego “é um dardo atirado contra o preconceito, a dominação, a indiferença”.

“Muito, muito obrigado, Paula Rego”, acrescentou,

Paula Rego estudou nos anos 1960 na Slade School of Art, em Londres, onde se radicou definitivamente a partir da década de 1970, mas com visitas regulares a Portugal, onde, em 2009, foi inaugurado um museu que acolhe parte da sua obra, a Casa das Histórias, em Cascais.

Nascida a 26 de janeiro de 1935, em Lisboa, foi galardoada, entre outros, com o Prémio Turner em 1989, e o Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso em 2013, além de ter sido distinguida com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada em 2004. Em 2010, recebeu da Rainha Isabel II a Ordem do Império Britânico com o grau de Oficial, pela sua contribuição para as artes.

Em 2019, recebeu a Medalha de Mérito Cultural do Governo de Portugal.

 

PMF (AG) // ACL

 

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS