Bolsonaro envia condolências a famílias de jornalista e ativista

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, enviou hoje condolências às famílias do jornalista britânico e do indigenista brasileiro que terão sido assassinados na selva amazónica.

Bolsonaro envia condolências a famílias de jornalista e ativista

Bolsonaro envia condolências a famílias de jornalista e ativista

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, enviou hoje condolências às famílias do jornalista britânico e do indigenista brasileiro que terão sido assassinados na selva amazónica.

“Nossos sentimentos aos familiares e que Deus conforte o coração de todos!”, escreveu Jair Bolsonaro, numa mensagem da conta de Twitter da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). No dia anterior, Jair Bolsonaro tinha declarado que o jornalista britânico desaparecido na Amazónia Dom Phillips era malvisto na região, porque fazia reportagens denunciando crimes ambientais. “Esse inglês, ele era malvisto na região porque fazia muita matéria [reportagem] contra garimpeiro [minerador ilegal], sobre a questão ambiental”, afirmou Bolsonaro.

Mais de 17 mil pessoas forçadas a fugir após ataques da semana passada em Cabo Delgado
Mais de 17 mil pessoas, maioritariamente mulheres e crianças, foram forçadas a fugir de suas casas nos distritos de Ancuabe e Chiure, na província moçambicana de Cabo Delgado, após os ataques da semana passada, informou a ONU (… continue a ler aqui)

Na quarta-feira à noite, as autoridades brasileiras encontraram restos humanos no local onde um dos principais suspeitos confessou ter assassinado o jornalista britânico Dom Phillips e o ativista brasileiro Bruno Araújo Pereira, numa zona remota da Amazónia. As autoridades acreditam que os dois estão mortos, apesar de os corpos ainda terem de ser identificados, algo que deverá acontecer hoje em Brasília. “É essencial que a investigação clarifique as circunstâncias e a motivação do crime e que todos os responsáveis sejam responsabilizados”, indicou numa declaração a organização não-governamnetal Human Rights Watch, apelando a medidas “imediatas e enérgicas” para combater “a ilegalidade e as redes criminosas na Amazónia”.

“Esse inglês, ele era malvisto na região porque fazia muita matéria [reportagem] contra garimpeiro [minerador ilegal], sobre a questão ambiental”

Por outro lado, a Amnistia Internacional denunciou os “comentários cruéis e insensíveis” do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro. A Greenpeace salientou que a perda dos dois profissionais veteranos é o resultado das “ações e omissões de um governo empenhado na economia da destruição”. “Somos órfãos de dois grandes defensores da Amazónia e, ao mesmo tempo, reféns do crime organizado que hoje é soberano na região amazónica”, sublinhou a Greenpeace. Phillips e Araújo desapareceram a 05 de junho quando navegavam num rio no Vale do Javari, uma região de selva perto das fronteiras do Brasil com o Peru e a Colômbia, onde tinham viajado para recolher material para um livro em que o jornalista estava a trabalhar sobre as ameaças enfrentadas pelos indígenas na região. As duas pessoas detidas até agora são dois irmãos pescadores da região que Bruno Araújo já tinha denunciado por praticarem pesca ilegal em zonas proibidas, como reservas indígenas.

Impala Instagram


RELACIONADOS