BE quer focar rentrée no projeto que tem para o país e não nas relações entre partidos

A rentrée política do BE vai focar-se no projeto que o partido tem para o país, “mais do que debater as relações entre partidos”, avançou à Lusa Marisa Matias sobre o Fórum Socialismo, que arranca na sexta-feira.

BE quer focar rentrée no projeto que tem para o país e não nas relações entre partidos

BE quer focar rentrée no projeto que tem para o país e não nas relações entre partidos

A rentrée política do BE vai focar-se no projeto que o partido tem para o país, “mais do que debater as relações entre partidos”, avançou à Lusa Marisa Matias sobre o Fórum Socialismo, que arranca na sexta-feira.

“Obviamente que não podemos pensar este Fórum Socialismo fora do quadro eleitoral, porque ele acontece a um mês das eleições legislativas, mas, mais do que debater as relações entre partidos, o que interessa verdadeiramente é debater que projeto é que cada partido tem para o país”, afirmou Marisa Matias, quando questionada sobre a relação entre o PS e o BE e a forma como isso poderia influenciar a rentrée do partido.

A partir de sexta-feira e até domingo, na Escola Artística Soares dos Reis, no Porto, decorre o Fórum Socialismo 2019, cuja antecipação foi feita à agência Lusa por Marisa Matias, que tal como o ano passado volta a abrir o programa, desta vez com um debate sobre as respostas para a emergência climática.

O BE, segundo a dirigente e eurodeputada, “tem um projeto muito concreto” para Portugal, que vai procurar debater nos mais de 50 debates que fazem parte do programa do Socialismo 2019.

Questionada sobre se o primeiro-ministro, António Costa, será uma espécie de convidado ausente neste rentrée bloquista, Marisa Matias respondeu: “Eu creio que não. Não é interessante, neste momento, estarmos a debater a relação entre partidos, o que é interessante é debatermos o projeto para o país”.

“Nesse sentido, o Bloco tem muitas propostas e por isso teremos muito com que nos entreter”, concretizou.

Os bloquistas querem “discutir as alterações que houve no país nos últimos quatro anos e que se traduziram numa melhoria substancial da vida das pessoas, ainda que muito limitada, mas que permitiu romper com o ciclo de austeridade e com o ciclo de empobrecimento”.

Apesar das melhorias, o BE não esquece “aquilo que ficou por resolver”, sendo as áreas do trabalho e da saúde aquelas onde residem os maiores problemas.

“O PS decidiu tentar resolver as questões laborais com a direita e isso significa que teremos muitos anos pela frente para lutar pelos direitos laborais e por um reconhecimento do trabalho com direitos em Portugal, que é preciso fazer”, concretizou.

Na saúde, e apesar da importância da aprovação da nova Lei de Bases da Saúde, “continua tudo por fazer, praticamente”, apontou Marisa Matias.

“Para além disso estamos a lidar com aquilo que é o momento da urgência climática, que não é um tema novo para nós, que faz parte do programa há muito tempo e há muitos anos, mas que ganhou uma nova centralidade e é preciso ter um programa para uma transição energética e uma economia que responda a toda a gente, que combata as injustiças sociais e que responda a esta emergência climática”, concretizou.

Para domingo, como é habitual, está previsto, a partir das 16:00, o comício de encerramento, com o discurso da coordenadora do BE, Catarina Martins, o momento político mais aguardado desta rentrée.

Para além de Catarina Martins, discursam ainda o mandatário nacional às eleições legislativas, Mário Tomé, e o deputado José Soeiro.

A gestão do Serviço Nacional de Saúde, as “encruzilhadas à esquerda”, as questões laborais, as rendas da energia, a cultura ou o feminismo são outros dos destaques do programa do fórum.

Precisamente para discutir “que gestão para o Serviço Nacional de Saúde?”, é convidada do Socialismo 2019 a antiga ministra da Saúde em dois governos socialistas Ana Jorge, que se junta ao deputado do BE com esta área, Moisés Ferreira.

JF//ACL

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS