Vacinação obrigatória para médicos é “não assunto em Portugal”

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, disse hoje que tornar obrigatória a vacinação contra a covid-19 “é um não assunto em Portugal”, por essa possibilidade não respeitar a Constituição e porque no país existe adesão à vacina.

Vacinação obrigatória para médicos é

Vacinação obrigatória para médicos é “não assunto em Portugal”

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, disse hoje que tornar obrigatória a vacinação contra a covid-19 “é um não assunto em Portugal”, por essa possibilidade não respeitar a Constituição e porque no país existe adesão à vacina.

“A imensa maioria dos profissionais de saúde, para não dizer a quase totalidade, aceitou ser vacinada. Portanto, é um problema que não se coloca no nosso país”, referiu Miguel Guimarães, um dia depois de o Presidente francês, Emmanuel Macron, ter anunciado que a vacinação contra a covid-19 vai passar a ser obrigatória, a partir de 15 de setembro, para todos os profissionais que trabalham com pessoas frágeis em hospitais e lares, uma decisão também tomada pela Grécia.

Miguel Guimarães referiu que estes dois grupos aceitaram ser vacinados e o número de profissionais de saúde ou cuidadores em lares que rejeitaram a vacina “é um número irrelevante”. “Tem havido uma adesão muito importante dos profissionais à vacina e eu nem conheço nenhum médico que tenha recusado a vacina, não quer dizer que não haja, mas não conheço”, frisou o dirigente, que acentuou que se na Grécia existe “uma taxa de recusa de 40%, é porque algum trabalho não foi feito” por parte do Governo.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos, é necessário ser razoável, apelou para o bom senso e defendeu a necessidade de “educar as pessoas, motivá-las para aceitarem serem vacinadas, porque a vacina é extraordinariamente importante para combater a pandemia, é fundamental para se conseguir rapidamente controlar a situação de uma forma eficaz”. A obrigatoriedade da vacina contra o novo coronavírus colide com os direitos, liberdades e garantias “consagrados na Constituição” e aplicar a medida a profissionais de áreas específicas “cria iniquidades dentro de vários grupos na sociedade, o que é terrível”, sublinhou Miguel Guimarães.

O importante é transmitir que “a vacina é segura, tem um impacto brutal no curso da pandemia” e reduz bastante a doença grave e a letalidade em caso de infeção. O bastonário acrescentou que a adesão à vacinação é também importante para se caminhar para a imunidade de grupo, porque só nessa altura a vacina passa a proteger também os outros e não apenas quem a toma. Miguel Guimarães apontou ainda o dedo à União Europeia (UE), por ter “oscilado entre ter medidas comuns ou cada país fazer o que queria”. “Não houve um fio condutor, o que é pena. Acho que a UE deve olhar para isto com outros olhos”, sugeriu o representante dos médicos.

Miguel Guimarães alertou que os mais novos parecem ser os “menos motivados para serem vacinados” e entende fazer sentido “desenvolver uma estratégia de comunicação” orientada para os jovens, de forma a incentivá-los a vacinarem-se contra a covid-19.  A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.044.816 mortos em todo o mundo, entre mais de 187,2 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.173 pessoas e foram registados 912.406 casos de infeção, de acordo com a Direção-Geral da Saúde. A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Impala Instagram


RELACIONADOS