Atacante de Salman Rushdie elogiado pela imprensa conservadora do Irão

O principal diário ultraconservador do Irão, Kayhan, felicitou hoje o homem que apunhalou, nos Estados Unidos, o escritor Salman Rushdie, autor do romance “Os Versículos Satânicos”, que lhe valeu uma sentença de morte decretada há mais de 30 anos.

Atacante de Salman Rushdie elogiado pela imprensa conservadora do Irão

Atacante de Salman Rushdie elogiado pela imprensa conservadora do Irão

O principal diário ultraconservador do Irão, Kayhan, felicitou hoje o homem que apunhalou, nos Estados Unidos, o escritor Salman Rushdie, autor do romance “Os Versículos Satânicos”, que lhe valeu uma sentença de morte decretada há mais de 30 anos.

O ataque contra o escritor britânico aconteceu na sexta-feira, no palco do Chautauqua Institution, um centro cultural situado no estado de Nova Iorque, onde Rushdie se preparava para discursar.

“Bravo a este homem corajoso e consciente do seu dever que atacou o apóstata e vicioso Salman Rushdie”, escreveu o jornal, cujo diretor é nomeado pelo líder supremo do Irão, o ayatollah Ali Khamenei.

“Beijemos a mão daquele que rasgou o pescoço do inimigo de Deus com uma faca”, acrescenta.

Salman Rushdie foi atacado no pescoço e abdómen quando se encontrava no palco do Chautauqua Institution. Segundo o seu agente, o escritor foi colocado em suporte de vida e poderá vir a perder um olho.

As autoridades iranianas ainda não comentaram oficialmente a tentativa de assassinato do intelectual de 75 anos.

Seguindo a linha oficial, todos os meios de comunicação iranianos descreveram Rushdie como um “apóstata”, com exceção do Etemad, um jornal reformista.

O diário estatal Irão disse que “o pescoço do diabo” tinha sido “golpeado por uma navalha”.

“Não derramarei lágrimas por um escritor que denuncia os muçulmanos e o Islão com infinito ódio e desprezo”, escreveu Mohammad Marandi, conselheiro da equipa de negociação nuclear, num tweet.

“Rushdie é um peão do império a posar como romancista pós-colonial”, acrescentou.

Salman Rushdie incendiou parte do mundo muçulmano com a publicação, em setembro de 1988, do livro “Os Versículos Satânicos”, levando o fundador da República Islâmica, ayatollah Rouhollah Khomeini, a emitir uma “fatwa” (decreto religioso) em 1989 apelando para o seu assassinato.

Esta sentença de morte, que perdura há mais de 30 anos, foi ordenada pelo alegado crime de “blasfémia”, que custou ao escritor a possibilidade de uma vida normal e o afastou da família.

AL // JMR

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS