Artes na paisagem em Montemor-o-Novo com 2.º Festival Ponto d’Orvalho

Concertos, artes visuais, ‘performances’, práticas holísticas ou conversas são ‘ingredientes’ da segunda edição do festival transdisciplinar Ponto d’Orvalho, que vai decorrer em Montemor-o-Novo (Évora), entre sexta-feira e domingo, revelou hoje a organização.

Artes na paisagem em Montemor-o-Novo com 2.º Festival Ponto d'Orvalho

Artes na paisagem em Montemor-o-Novo com 2.º Festival Ponto d’Orvalho

Concertos, artes visuais, ‘performances’, práticas holísticas ou conversas são ‘ingredientes’ da segunda edição do festival transdisciplinar Ponto d’Orvalho, que vai decorrer em Montemor-o-Novo (Évora), entre sexta-feira e domingo, revelou hoje a organização.

Promovido pela associação cultural Ponto d’Orvalho, com sede em Montemor-o-Novo e Lisboa, o certame vai ter lugar na Herdade do Freixo do Meio, naquele concelho alentejano, assumindo-se como “um espaço regenerativo, de criação e de renovação”.

Focado “na pesquisa e experimentação”, trata-se de um festival “aberto à discussão e à ação ambiental através de intervenções artísticas, sociais e ecológicas”, disse a associação promotora.

“Voltamos a organizar o Ponto d’Orvalho, neste encontro de três dias, com um programa híbrido de artes na paisagem, com foco na importância de práticas alimentares mais conscientes e propostas artísticas nacionais e internacionais”, acrescentou.

O evento foi realizado pela primeira vez em outubro do ano passado e, nesta nova edição, os participantes vão poder fazer parte de “um campo para explorar as transformações dinâmicas do ambiente e o seu impacto no nosso futuro coletivo e nas suas estruturas sociais”, segundo a associação.

“Numa altura de instabilidade social e ecológica, damos as boas-vindas a um público transgeracional que procura relacionar-se com o ambiente de forma regenerativa e sustentável, através da partilha de conhecimento, de práticas artísticas e coletivas”, frisou.

O programa, com curadoria de Joana Krämer Horta, Leonor Carrilho e Sérgio Hydalgo, inclui concertos, artes visuais, ‘performances’, práticas holísticas, conversas, ‘workshop’, ‘dj sets’, caminhadas na natureza e uma ‘food performance’.

As atividades vão ter a participação de António Poppe, Laila Sakini, Norberto Lobo, Inês Tartaruga Água, Stav Yeini, Fábio Colaço, Marta Wengorovius, Marc Leiber, Evy Jokhova, Xavier Paes, Piny Orchidaceae, Ari.You.Ok, Fernanda Botelho, Mattia Tosti, Kino, María Inés Plaza Lazo e Alfredo Sendim.

“Diferentes disciplinas artísticas unem-se, assim, com a intenção de produzir experiências transformadoras e criar modos recetivos de perceção e participação”, assinalaram os promotores.

Segundo a associação Ponto d’Orvalho, este projeto conta com o apoio de diversas entidades, como o Montado do Freixo do Meio, Cooperativa Integral Minga, Direção Regional da Cultura do Alentejo, O Espaço do Tempo, Galeria Zé dos Bois, Zebro e AudioMor.

RRL // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS