Aquecimento global pior e mais rápido do que se temia. Temperatura subirá 1,5 graus até 2030

O aquecimento global é pior e mais rápido do que se temia. Por volta de 2030, dez anos antes do previsto, poderá alcançar o limite de +1,5 ºC, com riscos de desastres “sem precedentes” para a humanidade, já afetada por ondas de calor e inundações.

Aquecimento global pior e mais rápido do que se temia. Temperatura subirá 1,5 graus até 2030

Aquecimento global pior e mais rápido do que se temia. Temperatura subirá 1,5 graus até 2030

O aquecimento global é pior e mais rápido do que se temia. Por volta de 2030, dez anos antes do previsto, poderá alcançar o limite de +1,5 ºC, com riscos de desastres “sem precedentes” para a humanidade, já afetada por ondas de calor e inundações.

O aquecimento global é pior e mais rápido do que se temia. Por volta de 2030, dez anos antes do que se estimava, poderá alcançar o limite de +1,5 ºC, com riscos de desastres “sem precedentes” para a humanidade, já sacudida por ondas de calor e inundações. “Um alerta vermelho para a humanidade.” São palavras do secretário-geral das Nações Unidas sobre o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Este estudo aprovado por 195 países afirma que o aquecimento global está a acelerar com consequências sem precedentes.

No novo relatório, divulgado hoje e que saiu com um atraso de meses devido à pandemia, o IPCC considera cinco cenários, dependendo do nível de emissões que se alcance. Manter a atual situação, em que a temperatura global é, em média, 1,1 graus mais alta que no período pré-industrial (1850-1900), não seria suficiente: os cientistas preveem que, dessa forma, se alcançaria um aumento de 1,5 graus em 2040, de 2 graus em 2060 e de 2,7 em 2100. Este aumento, que acarretaria também mais acontecimentos climáticos extremos, como secas, inundações e ondas de calor, está longe do objetivo de reduzir para menos de 2 graus, fixado no Acordo de Paris, tratado no âmbito das Nações, que fixa a redução de emissão de gases estufa a partir de 2020, impondo como limite de subida os 1,5 graus centígrados.

Ondas de calor extremo podem multiplicar-se até 9,4 vezes por década

No cenário mais pessimista, no qual as emissões de dióxido de carbono e outros gases com efeito de estufa duplicariam em meados do século, o aumento poderia alcançar níveis catastróficos, em torno dos 4 graus em 2100. Cada grau de aumento faz antever cerca de sete por cento mais de precipitação em todo o mundo, o que pode originar um aumento de tempestades, inundações e outros desastres naturais, avisa o IPCC.

As ondas de calor extremo, que na época pré-industrial aconteciam aproximadamente uma vez por década e atualmente ocorrem 2,3 vezes, podem multiplicar-se até 9,4 vezes por década (quase uma por ano) no cenário com mais 4 graus de temperatura. Por outro lado, na melhor hipótese considerada pelos peritos, em que se atinge a neutralidade carbónica (emissões zero) em metade do século, o aumento de temperatura seria de 1,5 graus en 2040, 1,6 graus em 2060 e baixaria para 1,4 graus no final do século.

O estudo da principal organização que estuda as alterações climáticas, elaborado por 234 autores de 66 países, foi o primeiro a ser revisto e aprovado por videoconferência. Os peritos reconhecem que a redução de emissões não terá efeitos visíveis na temperatura global até que passem umas duas décadas, ainda que os benefícios para a contaminação atmosférica se começassem a notar em poucos anos.

 

 

LEIA AGORA
Incêndio intenso em parque de resíduos de empresa de Rio Maior
Incêndio intenso em parque de resíduos de empresa de Rio Maior
Mais de meia centena de operacionais combatem um incêndio industrial nos parques de uma empresa de reciclagem de plástico em Rio Maior, no distrito de Santarém, confirma fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro. (… continue a ler aqui)

Impala Instagram


RELACIONADOS