Angola vai gastar 335 milhões de euros em 16 obras no setor da saúde

O Governo angolano desbloqueou mais de 115 mil milhões de kwanzas (335 milhões de euros) para a concretização de 16 projetos na área da saúde, incluindo a construção e apetrechamento de hospitais, armazéns centrais e outras infraestruturas públicas.

Angola vai gastar 335 milhões de euros em 16 obras no setor da saúde

Angola vai gastar 335 milhões de euros em 16 obras no setor da saúde

O Governo angolano desbloqueou mais de 115 mil milhões de kwanzas (335 milhões de euros) para a concretização de 16 projetos na área da saúde, incluindo a construção e apetrechamento de hospitais, armazéns centrais e outras infraestruturas públicas.

O valor insere-se num despacho presidencial de final de setembro, a que a Lusa teve acesso, e autoriza a abertura da contratação simplificada para a execução de projetos, uma medida que pretende, lê-se no documento, “melhorar a assistência e o acompanhamento médico aos doentes”.

Mais de metade do valor será utilizado na construção e apetrechamento do hospital provincial de Cuanza-Sul e do hospital materno-infantil do Huambo, com cada um deles a estar orçado em 27,56 mil milhões de kwanzas (cerca de 80 milhões de euros).

Uma outra grande parte do orçamento – 20.398 milhões de kwanzas (quase 60 milhões de euros) – será utilizada na construção e apetrechamento do hospital de MBanza Congo, capital da província do Zaire.

O Governo autorizou ainda a construção do Laboratório Nacional de Controlo de Qualidade e de Medicamentos, avaliada em 13.782 milhões de kwanzas (cerca de 40 milhões de euros), do Centro de Hemodiálise do hospital de Cabinda, orçada em 4.331 milhões de kwanzas (12,6 milhões de euros) e a reabilitação do Hospital Neves Bendinha, em Luanda, com custos estimados de 4.523 milhões de kwanzas (13,15 milhões de euros).

Dois armazéns centrais vão também ser construídos, um em Luanda e outro em Benguela, com um custo total de 2.945 mil milhões de kwanzas (8,5 milhões de euros).

O decreto assinado pelo Presidente João Lourenço prevê igualmente a construção e/ou apetrechamento de várias unidades hospitalares nas províncias de Bié, Cuanza-Norte, Cuanza-Sul, Cunene, Huambo, Namibe, Uíge.

À semelhança do investimento de 203 milhões de euros para obras em seis estruturas hospitalares, que a Lusa noticiou em 15 de setembro último, também este despacho enquadra-se com as prioridades definidas no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022, do Governo angolano.

JYO // PVJ

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS