Amazónia brasileira regista maior número de incêndios desde 2007

A Amazónia brasileira registou 2.308 focos de incêndio em junho, o número mais alto registado nesse mês desde 2007, anunciou hoje o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial.

Amazónia brasileira regista maior número de incêndios desde 2007

Amazónia brasileira regista maior número de incêndios desde 2007

A Amazónia brasileira registou 2.308 focos de incêndio em junho, o número mais alto registado nesse mês desde 2007, anunciou hoje o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial.

Os incêndios registados em junho aumentaram 2,6% em comparação com o mesmo período em 2020, quando a Amazónia já tinha atingido um número recorde de incêndios.

Os dados foram divulgados na mesma semana em que o Governo do Presidente Jair Bolsonaro publicou um decreto a suspender o recurso a fogo na região durante 120 dias, devido ao início da estação seca, e determinou o destacamento das Forças Armadas para combater a desflorestação e os incêndios, uma medida questionada por organizações ambientalistas.

“Infelizmente, este recorde para o mês de junho não é uma surpresa, considerando a continuidade da política ambiental e a insistência na utilização de um instrumento dispendioso com o destacamento de tropas militares, que se revelou ineficaz nos últimos dois anos”, denunciou a Greenpeace, numa declaração.

Os ambientalistas advertiram que os incêndios poderão agravar-se ainda mais nos próximos meses, especialmente em agosto e setembro, com a intensificação da estação seca na região.

Os incêndios na floresta tropical brasileira atingiram recordes históricos durante o mandato de Bolsonaro, cuja política ambiental tem sido duramente criticada por organizações ambientalistas e mesmo por países estrangeiros.

A deterioração da Amazónia aumentou a pressão sobre o Governo e levou um grupo importante de fundos de investimento mundiais a ameaçar retirar capital se a luta contra a desflorestação não for reforçada.

A política do Governo de Bolsonaro também pôs em causa o progresso do acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai) depois de a França ter anunciado a rejeição do tratado, alegando problemas ambientais.

VM // JH

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS