Amadora BD 2020 arranca na quinta-feira com transmissão ‘online’ da programação

A edição deste ano do Amadora BD – Festival de Banda Desenhada da Amadora, adaptada à pandemia da covid-19, arranca na quinta-feira, na Bedeteca da Cidade, “com transmissão nas redes sociais do evento”, foi hoje anunciado.

Amadora BD 2020 arranca na quinta-feira com transmissão 'online' da programação

Amadora BD 2020 arranca na quinta-feira com transmissão ‘online’ da programação

A edição deste ano do Amadora BD – Festival de Banda Desenhada da Amadora, adaptada à pandemia da covid-19, arranca na quinta-feira, na Bedeteca da Cidade, “com transmissão nas redes sociais do evento”, foi hoje anunciado.

“Em 2020, o festival adota um novo modelo de programação, vocacionado, exclusivamente, para o universo digital, com transmissão nas redes sociais do evento. A programação inclui oficinas, conversas com autores e coletivos, lançamentos de novas edições, debates, visitas virtuais a exposições, entre muitas outras novidades sobre o mundo da banda desenhada portuguesa”, refere a Câmara Municipal da Amadora, num comunicado hoje divulgado.

Este ano, haverá duas exposições, uma dedicada “ao Mestre da Banda Desenhada, José Ruy, intitulada ‘Do Tejo ao Fim do Mundo’, centrada nas viagens, tanto reais como imaginadas, pelos estudos, esquiços, argumentos e desenhos originais de banda desenhada do autor”, e uma outra, “30 + 1: A BD não faz quarentena”, na qual 30 autores portugueses, entre desenhadores e argumentistas, apresentam “obras realizadas durante a quarentena ou que tenham a pandemia como inspiração”.

Para celebrar o 30.º aniversário do Amadora BD, será exibido o filme “Entre Traços: 30 anos de Banda Desenhada”, documentário que conta a história “da estreita proximidade entre a Amadora e a BD, desde a sua infância à maturidade, perspetivando o lugar do evento no futuro e para as novas gerações”.

A Bedeteca da Cidade, localizada na Biblioteca Municipal Fernando Piteira Santos, vai acolher também “duas oficinas dinamizadas pela It’s a Book, moderadas pelas autoras de banda desenhada Patrícia Guimarães e Carolina Celas, conversas com o coletivo The Lisbon Studio, com os autores de ‘Balada para Sophie’, Filipe Melo e Juan Cavia, André Carrilho, autor do livro ‘A Menina dos Olhos Ocupados’, Ana Pessoa e Bernardo P. Carvalho, com o álbum ‘Desvio’, e os lançamentos de novas edições de BD”.

O Amadora BD 2020 decorre até 06 de novembro, na Bedeteca da Cidade.

No âmbito do festival, a Câmara Municipal da Amadora desafiou André Carrilho, Nuno Saraiva, Luís Louro, José Ruy, Joana Afonso e Marta Teives “a criar uma ilustração original para vários ‘outdoors’ espalhados pelo concelho”, passando para BD as medidas de prevenção do contágio pelo novo coronavírus”, que provoca a covid-19.

A cada autor foi atribuída uma recomendação da Direção-Geral da Saúde (DGS): “André Carrilho aborda o uso obrigatório da máscara comunitária; Nuno Saraiva trabalha o distanciamento social; Joana Afonso recomenda evitar tocar nos olhos, na boca e no nariz; Luís Louro recorda a necessidade de serem evitados aglomerados de pessoas e deixa um repto ‘Não seja um Covidiota’; Marta Teives reforça a lavagem das mãos como prática indispensável; José Ruy recorre aos emblemáticos personagens de António Cardoso Lopes Júnior, Zé Pacóvio e Grilinho, para exemplificar a etiqueta respiratória”.

O resultado pode ser visto nas ruas da cidade desde meados de setembro.

A mais recente edição do Amadora BD, a 30.ª, realizou-se entre 24 de outubro e 03 de novembro do ano passado.

A 30.ª edição do Amadora BD foi um momento de transição, com mudanças na direção e no modelo de programação.

O festival foi mais curto, não teve um tema central e as exposições concentraram-se todas no Fórum Luís de Camões. Houve menos prémios sobre o ano editorial e uma separação de júris para banda desenhada e ilustração.

Em janeiro do ano passado, o então diretor do festival, Nelson Dona, demitiu-se do cargo que ocupava há 20 anos, justificando que o Amadora BD precisava de renovação.

Ligado ao festival desde a primeira edição, e diretor desde 1999, Nelson Dona explicou que saiu da direção também por razões pessoais e por “não estar disponível para trabalhar nas mesmas condições”.

JRS (SS) // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS