Algarve não quer torniquetes nem drones nas praias

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) defendeu hoje que devem ser as autarquias e as capitanias a operacionalizarem a vigilância nas praias, rejeitando “formas mais intrusivas de fiscalização”, como pulseiras ou ‘drones’.

Algarve não quer torniquetes nem drones nas praias

Algarve não quer torniquetes nem drones nas praias

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) defendeu hoje que devem ser as autarquias e as capitanias a operacionalizarem a vigilância nas praias, rejeitando “formas mais intrusivas de fiscalização”, como pulseiras ou ‘drones’.

“Os autarcas do Algarve, de uma forma generalizada, não veem com bons olhos formas mais intrusivas de fiscalização, como pulseiras, drones, torniquetes, porque não cremos que isso seja uma grande solução”, disse à agência Lusa o presidente da AMAL, António Pina.

O presidente da associação que agrega os 16 municípios do distrito de Faro defendeu que “devem ser as autarquias e as capitanias a operacionalizar e fiscalizar as praias”, depois de o Governo e a Direção-Geral da Saúde (DGS) definirem as regras gerais, “como o afastamento e o número de pessoas por grupos”.

O ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, anunciou no dia 06 de maio que o manual de procedimentos sobre o acesso às praias na época balnear devido à pandemia da covid-19 deve estar concluído até ao final desta semana.

“A AMAL não defende necessariamente vigilância privada, no conceito de vigilância de empresas privadas. Nós defendemos é que as regras emanadas pelo Governo devem ser suficientemente latas, por forma a que os municípios, as capitanias e as entidades do ambiente possam , depois, criar as condições para que as praias sejam utilizadas em segurança e, acima de tudo, que não se encerrem praias”, sustentou.

Segundo António Pina, que é também presidente da Câmara de Olhão, no Algarve existem “realidades muito diferentes”, desde pequenas praias a extensos areais, “que só os municípios conhecem” no sentido de poderem “adaptar as condições de fiscalização a cada uma delas”.

O presidente da AMAL e da Câmara de Olhão reconheceu que a vigilância em todas as praias apenas pelas forças policiais “não vai ser uma tarefa fácil”, defendendo a contratação de pessoas para efetuarem ações de sensibilização e organização de grupos nos areais.

“Podiam ser contratados mais nadadores-salvadores para fazer essa fiscalização e também pessoas que nesta fase não vão ter emprego na área do turismo, pessoas até com formação no atendimento e que falam algumas línguas”, sublinhou.

Segundo o responsável, essas pessoas atuariam sempre em articulação com a Polícia Marítima, “porque a autoridade só pode ser exercida pelas forças da autoridade”.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

 Leia a a sua revista sem sair de casa

Vivemos tempos de exceção mas, mesmo nestes dias em que se impõe o recolhimento e o distanciamento social, nós queremos estar consigo. Na impossibilidade de comprar a sua revista favorita nos locais habituais, pode recebê-la no conforto de sua casa, em formato digital, no seu telemóvel, tablet ou computador.

1 – Aceda a www.lojadasrevistas.pt

2 – Escolha a sua revista

3 – Clique em COMPRAR ou ASSINAR

4 – Clique no ícone do carrinho de compras e depois em FINALIZAR COMPRA

5 – Introduza os seus dados e escolha o método de pagamento

6 – Pode pagar através de transferência bancária ou através de MB Way!

E está finalizado o processo! Continue connosco. Nós continuamos consigo.

Impala Instagram


RELACIONADOS