Álbum de Mísia distinguido com o prémio da crítica discográfica alemã

O mais recente álbum da cantora Mísia, “Pura Vida – Banda Sonora”, recebeu o Phonographic Critics Award, prémio da crítica discográfica alemã, anunciou hoje a sua promotora.

Álbum de Mísia distinguido com o prémio da crítica discográfica alemã

Álbum de Mísia distinguido com o prémio da crítica discográfica alemã

O mais recente álbum da cantora Mísia, “Pura Vida – Banda Sonora”, recebeu o Phonographic Critics Award, prémio da crítica discográfica alemã, anunciou hoje a sua promotora.

“Pura Vida – Banda Sonora” é uma coprodução da promotora Liberdades Poéticas com o Museu do Fado, e que a fadista tem previsto apresentar no primeiro semestre do próximo ano em 15 palcos internacionais, abrindo a digressão, no dia 20 de janeiro, no Le Cigale, em Paris, e passando, entre outras cidades, por Casablanca, Viena, Buenos Aires e São Paulo, de Marrocos ao Brasil.

Do alinhamento do CD fazem parte três temas em espanhol: “Passión” (Ana Carolina/Rodrigo Leão), gravado com o fadista Ricardo Ribeiro, “Corazón y Hueso”, em duo com o argentino Daniel Melingo, que assina a música, e “Prelúdio para el Año 3001”.

“Lágrima” (Amália Rodrigues/Carlos Gonçalves), do repertório de Amália Rodrigues, é outro tema do alinhamento, este acompanhado a guitarra elétrica por Raül Refree.

São 14 as canções gravadas por Mísia, entre as quais “Os Homens que Eu Amei” (Tiago Torres da Silva/Fado Estoril, de Armandinho) e “Fado dos 2 Pardais” (Ricardo Negrete Plano/Fado das Horas, de José António Sabrosa) e “Fadinho do Anúncio” (Vasco Graça Moura/Fado Alfacinha, de Jaime Santos).

Tiago Torres da Silva é o letrista com o maior número de canções no álbum — quatro. Mísia assina a letra do fado de abertura do CD, “Rosa Negra do Meu Peito”, que interpreta no Fado Menor.

“Pura Vida – Banda Sonora” inclui, entre os autores, outros nomes cantados anteriormente por Mísia, como Vasco Graça Moura, Miguel Torga e Jorge Muchagato.

O álbum conta com a participação, entre outros dos músicos, de Fabrizio Romano (piano), habitual diretor musical da cantora, Luís Cunha (violino), Paulo Gaspar (clarinete baixo), Luís Guerreiro (guitarra portuguesa), Walter Hidalgo (bandoneon) e Pedro Santos (acordeão).

Este álbum, agora distinguido pela crítica, na Alemanha, sucede a “Para Amália” (2015).

Segundo a sua promotora, no âmbito das comemorações do centenário do nascimento de Amália, no próximo ano, “a cantora concebeu um novo projeto, ‘Amália – Coração Independente'”, a apresentar oportunamente.

NL // MAG

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS