Açores querem alcançar em 2024 certificação de ouro como destino turístico sustentável

Os Açores querem “elevar os padrões de sustentabilidade” e alcançar, em 2024, a certificação de ouro como destino turístico sustentável, avançou hoje o secretário regional dos Transportes, Turismo e Energia

Açores querem alcançar em 2024 certificação de ouro como destino turístico sustentável

Açores querem alcançar em 2024 certificação de ouro como destino turístico sustentável

Os Açores querem “elevar os padrões de sustentabilidade” e alcançar, em 2024, a certificação de ouro como destino turístico sustentável, avançou hoje o secretário regional dos Transportes, Turismo e Energia

O titular pela pasta do Turismo nos Açores falava, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, na reunião do Comité Consultivo para a Sustentabilidade do Destino.

Em 2019 os Açores foram a primeira região do país certificada como destino turístico sustentável, distinção entregue com a categoria de “prata” pela Earthcheck.

O EarthCheck é um grupo internacional de certificação e consultoria de ‘benchmarking’ científico em viagens e turismo, com atividade desde 1987. A certificação respondeu aos critérios do Global Sustainable Tourism Council [Conselho Global de Turismo Sustentável], organismo internacional de acreditação para a certificação de turismo sustentável.

O processo de certificação dos Açores iniciou-se em 2017, proclamado pelas Nações Unidas como Ano Internacional do Turismo Sustentável.

Hoje, na intervenção na reunião do Comité Consultivo para a Sustentabilidade do Destino, o secretário regional dos Transportes, Turismo e Energia sublinhou a necessidade de “elevar os padrões de sustentabilidade” dos Açores como destino turístico, preservando a natureza, “um ativo” da Região.

“Em 2024 pretendemos alcançar a certificação de ouro de destino turístico sustentável”, vincou o titular pela pasta do Turismo do Governo Regional de coligação PSD/CDS-PP/PPM.

O governante acrescentou que a obtenção daquela distinção “não é automática”, daí ser necessário um trabalho “conjunto com várias entidades”, numa “postura colaborativa”.

Antes de atingir a meta de certificação de ouro como destino turístico sustentável, a Região “já está a ser alvo de uma auditoria local” com vista “a alcançar o nível dois” da categoria de prata detida, segundo explicou aos jornalistas Mário Mota Borges.

“Alguns dos presentes nesta reunião já estão há algum tempo nos Açores e estão a verificar o que está sendo feito, a solicitar algumas correções. E, portanto, é um processo em contínuo desenvolvimento”, referiu.

O governante sublinhou que, em toda esta estratégia, existem “duas peças fundamentais”, nomeadamente a elaboração de um novo Plano Estratégico e de Marketing para o Turismo nos Açores para o horizonte 2021-2025 e de um novo Plano do Ordenamento do Turismo da Região.

“Estamos neste domínio de certificação muito em posicionados, mas ainda há um caminho a percorrer até chegar a um valor que nos permita chegar mais longe”, disse.

Em preparação estão também os Regimes Jurídicos para o Alojamento Turístico, para os Percursos Pedestres da Região, assim como o Regime Jurídico da Animação Turística do arquipélago.

“Em tudo na vida existem ondas, existem modas e tendências. A nossa ação destina-se, também, a fazer controlo dos excessos daquilo que for a oferta em determinados ramos, no sentido positivo de controlo para que haja benefício coletivo e não no sentido de repressão de qualquer tendência de forma unilateral. Queremos que as pessoas e os agentes percebam que o controlo que venha a ser feito é benéfico para todos a médio prazo”, sustentou.

APE // ACG

Lusa/fim

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS