Academia Sueca elege dois novos membros para ocupar lugares vazios após crise

Academia Sueca elege dois novos membros para ocupar lugares vazios após crise

A Academia Sueca, instituição que atribuí anualmente o Nobel da Literatura, anunciou hoje a eleição de dois novos membros para ocupar os lugares que ficaram vagos devido às renúncias motivadas por um escândalo sexual e fugas de informação.

O jurista Eric Runesson vai ocupar a cadeira número um, em substituição de Lotta Lotass, e a escritora Jila Mossaed, de origem iraniana, a número 15 de Kerstin Ekman.

Lotass, Ekman e outros dois membros renunciaram ao seu cargo na primavera passada, enquanto outros quatro membros, entre os 18 que integram a instituição — incluindo os seus dois últimos secretários, Sara Danius e Peter Englund — retiraram-se temporariamente.

No entanto, participaram na votação para que fosse alcançado o quórum mínimo de doze membros, necessário para adotar decisões internas, confirmou o secretário provisório Anders Olsson, que há meses tinha já anunciado a intenção de eleger um jurista.

A decisão foi votada na quarta-feira na reunião semanal da Academia e oficializada após a reunião de hoje entre Olsson e o rei Carlos XVI Gustavo, protetor da instituição.

A Academia Sueca não revelou o que vai suceder à poetisa Katarina Frostenson, cujo marido, o artista francês Jean-Claude Arnault, foi condenado na segunda-feira a dois anos de prisão por um caso de violação de uma mulher cometido em 2011.

As denúncias de 18 mulheres a um diário sueco em novembro sobre os abusos cometidos por Arnault, com fortes ligações à Academia através da sua mulher e do seu clube literário, estiveram na origem do escândalo que motivou o adiamento para 2019 do Nobel da Literatura deste ano.

De acordo com a televisão pública SVT, informação também confirmada publicamente por um académico, a Fundação Nobel e a Casa Real exigiram a saída de Frostenson.

Na sequência do escândalo, a Academia interrompeu a relação e pediu uma auditoria, que concluiu que Arnault não tinha influenciado em decisões sobre prémios e ajudas, apesar de o apoio económico recebido pelo seu clube literário não ter respeitado as regras de imparcialidade pelo facto de sua mulher ser coproprietária.

Pressionada pela Fundação Nobel, a Academia Sueca impulsionou diversas reformas nos últimos meses, incluindo uma alteração de estatutos para possibilitar a renúncia efetiva de um dos seus membros e a eleição de substitutos. Recorreu ainda a um grupo externo de especialistas em direito, resolução de conflitos, organização e comunicação.

No entanto, a decisão mais controversa consistiu em adiar a entrega do Nobel da Literatura, pela primeira vez em sete décadas e que implicará a concessão de dois prémios em 2019, uma medida justificada pela falta de confiança e a debilidade da instituição.

PCR // CSJ

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Academia Sueca elege dois novos membros para ocupar lugares vazios após crise

A Academia Sueca, instituição que atribuí anualmente o Nobel da Literatura, anunciou hoje a eleição de dois novos membros para ocupar os lugares que ficaram vagos devido às renúncias motivadas por um escândalo sexual e fugas de informação.