Angola apresenta projeto para seis novas barragens na província do Namibe

A província de Namibe, em Angola, vai ter seis novas barragens, num investimento estimado de 800 milhões de dólares, de acordo com um projeto apresentado pelo Instituto Nacional de Recursos Hídricos (INRH), noticiou hoje a imprensa local.

Angola apresenta projeto para seis novas barragens na província do Namibe

Angola apresenta projeto para seis novas barragens na província do Namibe

A província de Namibe, em Angola, vai ter seis novas barragens, num investimento estimado de 800 milhões de dólares, de acordo com um projeto apresentado pelo Instituto Nacional de Recursos Hídricos (INRH), noticiou hoje a imprensa local.

De acordo com o Jornal de Angola, o projeto, apresentado na segunda-feira, na cidade de Moçâmedes, capital da província, prevê a construção de seis barragens nos principais rios do Namibe, com o objetivo de atenuar os efeitos da seca naquela região angolana.

Num investimento estimado de 800 milhões de dólares (cerca de 735 milhões de euros), as barragens serão construídas nos rios Caraculo, Bero, Giraúl, Inamangando, Bentiaba e Carujamba.

“O objetivo principal da construção das barragens nos rios do Namibe é, também, o tratamento das águas residuais, reabilitação das instalações existentes, desenvolvimento agrícola e industrial da região, que é rica em produção de tomate, além de impedir que no período das grandes enxurradas as águas vão parar ao mar”, disse o diretor do INRH, Manuel Quintino.

Para Jorge Hilário, membro do conselho de auscultação às comunidades, citado pelo mesmo jornal, devido ao alto valor do projeto faria mais sentido reparar todas as barragens, represas e furos de água já existentes.

No mesmo sentido, o administrador municipal de Moçâmedes, João Ernesto dos Santos, considerou “necessário, também, que se reabilite e faça a manutenção das barragens antigas, para que o projeto seja, de facto, estruturante no combate à seca e para o desenvolvimento local”.

O projeto para a construção das seis barragens resulta de um estudo feito entre 2013 e 2018, tendo entrado agora na fase de mobilização de recursos financeiros, para posteriormente serem lançados os concursos para a construção.

CFF // VM

By Impala News / Lusa

Impala Instagram


RELACIONADOS