Miranda admite que Bélgica

Miranda admite que Bélgica “vai exigir o máximo” ao Brasil

O defesa central Miranda disse hoje esperar dificuldades no embate dos quartos de final do Mundial2018 de futebol frente à Bélgica, que vai “exigir o máximo” à seleção brasileira, que está “acostumada a jogar ao mais alto nível”.

Kazan, Rússia, 05 jul (Lusa) — O defesa central Miranda disse hoje esperar dificuldades no embate dos quartos de final do Mundial2018 de futebol frente à Bélgica, que vai “exigir o máximo” à seleção brasileira, que está “acostumada a jogar ao mais alto nível”.


“Temos a responsabilidade de jogar sempre ao nível mais elevado. Conhecemos as dificuldades e sabemos que a Bélgica nos vai exigir o máximo, porque é um adversário muito forte”, afirmou o defesa do Inter Milão.


O Brasil, cinco vezes campeão do mundo e pela sétima vez consecutiva nos quartos de final, vai defrontar a Bélgica, em Kazan, a partir das 19:00 (horas em Lisboa). O vencedor deste encontro vai encontrar o vencedor do embate entre França e Uruguai.


“A Bélgica não é só o Lukaku, tem grandes avançados. A principal forma de travar o adversário é estar atento a todas as jogadas e a todos os seus futebolistas, que são habilidosos, verticais e decisivos. O nosso sistema defensivo tem de estar bem preparado para neutralizar as armas do nosso adversário”, prosseguiu.


Confrontado pelas palavras do capitão belga Vincent Kompany, que terá admitido que a sua equipa já estaria a pensar nas meias-finais, Miranda foi incisivo: “Conhecemos todos os tipos de provocações, é uma forma de ocultar o medo e mostrar confiança, porque é sempre difícil jogar com a seleção brasileira e percebe-se que um líder como ele quer mostrar otimismo”.



JP // NFO

By Impala News / Lusa

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Miranda admite que Bélgica “vai exigir o máximo” ao Brasil

O defesa central Miranda disse hoje esperar dificuldades no embate dos quartos de final do Mundial2018 de futebol frente à Bélgica, que vai “exigir o máximo” à seleção brasileira, que está “acostumada a jogar ao mais alto nível”.