Rafaela Garcez, a portuguesa que tirou o curso de organização com Marie Kondo

Organização é com ela. Ao estilo de Marie Kondo, esta portuguesa vai a sua casa organizar-lhe a vida e os armários.

Rafaela Garcez, a portuguesa que tirou o curso de organização com Marie Kondo

Organização é com ela. Ao estilo de Marie Kondo, esta portuguesa vai a sua casa organizar-lhe a vida e os armários.

Rafaela Garcez acaba de se tornar na segunda portuguesa a adquirir a certificação oficial de Marie Kondo, a «maluquinha das arrumações». Para quem acha que o seu próprio caos é organização, este artigo é capaz de não lhe dizer muito. Mas quem gosta de separar as camisas por cores e organizá-las em degradé, esta é bem capaz de ser a leitura do dia. Organizar a casa pelo método KonMari não é tarefa para um só dia. Nem fazê-lo sozinha. Para isso, temos Rafaela Garcez, que viajou até Nova Iorque para fazer o Consultant Certification Course do método KonMari com a japonesa mais famosa da Netflix.

«Um mundo novo e os livros de Marie Kondo»

Rafaela, designer de profissão, encontrou na arrumação e na organização o seu bem-estar. E formou-se para partilhá-las com os outros. É através das experiências, do bem-estar, da gratidão e da harmonia que Rafaela Garcez procura impactar a vida dos seus clientes ao encaminhá-los num processo de auto-descoberta. Numa altura em que há muito desejava um projeto dela, foi depois de uma conversa com um amigo que se fez magia. «Libertei-me de qualquer limitação e pesquisei “organização profissional”. Descobri um mundo novo e os fantásticos livros da querida Marie Kondo. Devorei-os e percebi imediatamente que queria ser consultora KonMari – método de organização desenvolvido pela japonesa e guru mundial da organização Marie Kondo», conta-nos.

Como funciona o método de Marie Kondo?

É quase como se fosse um personal training, mas direcionado à sua casa. Funciona com vários tipos de pacotes, mas o objetivo é que cada sessão aborde uma categoria específica. A organização dos pertences é feita na seguinte ordem: roupa, livros, papelada, komono (tudo aquilo que não pertence às restantes categorias) e por fim, os tão difíceis itens sentimentais. Reúnem-se as peças de cada categoria, seleciona-se o que se vai manter ou desapegar e implementa-se um novo sistema de organização para simplificar a sua vida e sentir-se mais feliz. Na dúvida, se quiser saber naquilo em que se vai meter, é ver um episódio da Netflix da série Marie Kondo: A Magia da Arrumação.

Antes de dar uma mãozinha, dois dedos de conversa

Geralmente, começa com uma conversa inicial – que serve para que o cliente e Rafaela se conheçam –, para que a especialista possa perceber o porquê de o cliente precisar de ajuda e então apresentar o método e fazer a sugestão do número de sessões necessárias para organizar a área desejada pelo cliente. Conta-nos Rafaela que cada cliente tem o seu ritmo e o seu percurso. «O que mais gosto no meu trabalho é justamente acompanhar a pessoa nesse processo de transformação. É bonito, difícil, positivo e feliz. Tomam-se decisões internas e externas durante sessões ou dias seguidos. Por isso é que Marie Kondo lhe chama a viagem da organização», afirma. Os valores começam nos 20 euros e podem ir até aos 2400, consoante o plano a estabelecer.

Quem procura o serviço de Rafaela?

«Ao questionarmos tudo o que mantemos na nossa vida, seja pertences, relações ou rotinas, fazemos um exercício consciente de análise, valorizamos o que temos e deixamos ir com gratidão o que já não nos pertence»

O serviço de Rafaela é procurado sobretudo por mulheres que se deparam, invariavelmente, com três coisas: dificuldade na tomada de decisão, falta de tempo ou apego. De forma geral, a fase da roupa é mesmo a mais complicada de ultrapassar. «Aqui a pessoa faz o exercício de selecção e coloca questões a si própria (muitas vezes, pela primeira vez) e deteta aquilo que lhe traz alegria», diz Rafaela.

Rotina mais organizada e harmoniosa

Já a casa de banho e a cozinha mostram-se mais fáceis para quem faz os programas de Rafaela. «A tomada de decisão é, geralmente, mais fácil para a pessoa. E acabamos por estar mais descontraídos e divertidos. Nesta categoria, geralmente não sentimos o mesmo apego que temos por roupa ou por outros itens sentimentais. E, tal como nas outras categorias, mas feito de forma mais leve, ao ficarmos com apenas aquilo que usamos e está em condições a nossa vida e rotina tornam-se imediatamente mais organizadas e harmoniosas.»

Texto: Marta Amorim | Fotos: Gentilmente cedidas por Rafaela Garcez

LEIA MAIS
Marie Kondo está a deixar o mundo louco. O que tem para nos ensinar a «maluquinha da arrumação»?

Impala Instagram


RELACIONADOS