Programas imperdíveis para fazer na ilha da Madeira

Imperdível todo o ano, eis alguns dos melhores programas para fazer na Madeira durante o outono

Programas imperdíveis para fazer na ilha da Madeira

Imperdível todo o ano, eis alguns dos melhores programas para fazer na Madeira durante o outono

O paraíso mora aqui ao lado e tem clima temperado no outono. Enquanto no continente vamos deprimindo com o tempo a esfriar, na Ilha da Madeira o tempo continua ameno e propício a uns mergulhos. Esqueça os casacos e faça uma mala de roupas mais leves e rume à ilha onde é verão todo o ano.

Ande de teleférico

Para onde quer que olhe, as vistas vão parecer-lhe incríveis. Mas se as quiser ver de cima, aconselhamos andar num dos vários teleféricos do Funchal. Da cidade (zona vela) ao alto da freguesia do Monte, verá a baía e o anfiteatro pintalgado de hortas. A viagem dura cerca de 15 a 25 minutos e os preços começam nos 5,5 euros para criança e vão até aos 16, para adulto. Uma vez lá no cimo, pode e deve andar nos tradicionais carrinhos de cesto ou visitar o jardim botânico da Madeira. Para andar de teleférico e ainda fazer praia, não perca a Praia do Garajau. Por 3 euros (ida e volta), visite uma das praias mais bonitas onde ainda poderá fazer mergulho.

Fazer um passeio de barco

Os passeio são diários e basta passar pela marina para dar de caras com várias empresas que organizam as saídas. Poderá ver golfinhos (é quase certo), mas também baleias e até tartarugas. Há várias durações para o passeio mas o mais comum é um passeio com duração de 3 horas num catamarã com direito a paragem para mergulho junto ao Cabo Girão.

Comer lapas

Seria um verdadeiro desafio elencar aqui todos os bons locais para experimentar estas iguarias. Vai encontrá-las como entrada em qualquer restaurante típico. São grelhadas na frigideira e temperadas com manteiga e alho. Uma delícia. O restaurante Doca do Cavacas é um ótimo local para experimentar esta iguaria. Depois, visite o complexo balnear em tons de azu e branco e aproveite o bom tempo.

Jantar no italiano Il Basilico

Férias na Madeira serão sempre sinónimo de bolo do caco e lapas, mas… se lhe apetecer mudar de sabores, saiba que o Il Basílico é um italiano de excelência na ilha. Junto à promenade do Lido, no Funchal, aproveite o usual bom tempo na Madeira para fazer a sua refeição na agradável esplanada. Antipasti, carpaccios, pastas, pizzas, risotos, carnes, sobremesas e tapas é tudo o que pode experimentar. O nosso destaque vai para o carpaccio de atum e para o novo e maravilhoso semifrio de amêndoa. Aproveite que decorre de 4 a 14 de novembro a semana gastronómica italiana no Funchal.

Ao longo de uma semana, o Il Basilico vai apresentar novos pratos inspirados numa fusão de sabores italianos. O Chefe Cristiano Cutietta, em conjunto com o chefe convidado Carlos Leiva, que traz do Brasil uma fusão de novos sabores italianos – crostini, carpaccio, bruschetta, risotto, ravioli, tortellini, focaccia, gnocchi. No final, e como já é habitual, os pratos eleitos pelos clientes ganham destaque na renovação do menu do restaurante. Carlos Leiva é o Chef da Osteria Nonna Rosa, em São Paulo, e acredita que se não tivesse um tio italiano e uma avó portuguesa tão bons cozinheiros, não teria desafiado os pais a inscrever-se na faculdade de Gastronomia. Natural do Brasil, viajou pelo mundo ao longo da sua carreira, consolidando conhecimentos e experiência em restaurantes como o Eleven, em Lisboa, EAU Grand Hyatt em São Paulo e Jamie’s Italian Brasil. Em 2019, deixou o cargo de sub-chefe do Nino Cucina e assumiu a inauguração, chefia e sociedade da Osteria Nonna Rosa, um restaurante italiano de cozinha clássica.

Ver o nascer do sol

Ver o sol nascer no Pico do Arreiro é um experiência incrível. Não se esqueça de fazer bem as contas para chegar com tempo para arranjar um bom spot, levar um agasalho ou até um termo com café. Prepare o telemóvel para grandes fotos e disfrute.

Faça o caminho até à ponta de São Lourenço

Se estiver em boas condições físicas, avance. Se não, mais vale terminar a leitura aqui. Este caminho – que tem tanto de cansativo como de bonito- é uma vereda de 4 Km, com duração 2h30. O caminho é ondulante mas está em boas condições. O trilho percorre a Ponta de S. Lourenço, península mais a Este da ilha da Madeira, batizada com o nome da caravela de João Gonçalves Zarco, um dos três descobridores da ilha da Madeira. Não se esqueça da garrafa de água e saiba que no final do percurso verá um restaurante, qual oásis. O prego em bolo do caco é de comer e chorar por mais.

 

Texto e fotos: Marta Amorim

 

Impala Instagram


RELACIONADOS