Misturar medicamentos com álcool faz mal?

A Medicina é clara e lança o alerta. Misturar medicamentos com álcool faz mesmo mal. Conheça os perigos relacionados com a interação entre remédios e as bebidas alcoólicas.

Misturar medicamentos com álcool faz mal?

Misturar medicamentos com álcool faz mal?

A Medicina é clara e lança o alerta. Misturar medicamentos com álcool faz mesmo mal. Conheça os perigos relacionados com a interação entre remédios e as bebidas alcoólicas.

“Posso beber bebidas alcoólicas enquanto estou a tomar medicamentos?” A dúvida instala-se, principalmente em épocas de festividades e a resposta da Medicina é simples e direta: “não”. Fabrício Silva, cardiologista, explica que vários estudos defendem que não se deve misturar medicamentos com álcool. Por outro lado, os efeitos da mistura variam consoante o medicamento e a bebida. O álcool “pode diminuir o efeito do remédio”, mas, em casos extremos, pode igualmente promover o “risco de vida”.

Para ler depois
Nove em cada 10 jovens de 18 anos beberam álcool no último ano
Inquérito sobre comportamentos aditivos revela que, em cada 10 jovens de 18 anos, nove beberam álcool, cinco fumaram tabaco e dois a três consumiram pelo menos uma vez uma substância ilícita, principalmente canábis (… continue a ler aqui)

Quais os efeitos de misturar medicamentos com álcool

Álcool e anti-inflamatórios

A ingestão de álcool potencia os efeitos dos anti-inflamatórios, uma vez que a absorção intestinal das substâncias nestes medicamentos é aumentada. “Este tipo de mistura tem potencial para o desenvolvimento de úlcera gástrica e sangramentos”, afirma.

Álcool e analgésicos

A o princípio ativo dipirona, usada para combater dores leves, intensifica os efeitos do álcool no organismo. A interação entre paracetamol e bebidas alcoólicas “pode levar à hepatite medicamentosa”.

Álcool e antibióticos

Antibióticos como o metronidazol e o bactrim estão relacionados com maior toxicidade para o corpo quando misturados com álcool, que pode levar a “sintomas como cefaleia, náusea, e tonturas”. Além disso, este tipo de medicamento “é metabolizado no fígado” e o consumo de álcool “pode dificultar o processo”.

Álcool e antidepressivos

Os antidepressivos, quando misturados com bebibas alcoólicas, “têm efeitos de sedação intensificados” e, em simultâneo, “diminui eficácia do medicamento”.

Álcool e insulina

A insulina associada ao uso do etanol – substância presente, por exemplo, no vinho – “eleva significativamente o risco de hipoglicemia” – que, por sua vez, “gera uma complicação grave relacionada com a menor disponibilidade da glicose no sangue”.

Impala Instagram


RELACIONADOS