Saiba por que nunca deve deixar o cabelo secar ao ar

Saiba por que nunca deve deixar o cabelo secar ao ar

Levamos a vida a ouvir que o melhor é afastar os cabelos do secador. Agora, há quem venha afirmar o contrário.

O calor libertado pelo secador de cabelo foi sempre considerada uma agressão dispensável aos nossos cabelos. Os conselhos são, regra geral, que sempre que possível deixemos o nosso cabelo secar ao ar.

Agora, o especialista Tim Moore da GHD vem dizer que deixar o cabelo molhada durante muito tempo é prejudicial uma vez que os folículos vão ficar débeis e deteriorados.

LEIA MAIS: 10 penteados que pode fazer em casa quando é convidada para um casamento

Um estudo coreano já tinha vindo afirmar o mesmo. Embora o uso de secadores ou ferros cause mais danos à superfície (cutícula) do que a secagem natural, usá-la a 15 centímetros de distância e em movimento contínuo causa menos prejuízos em geral.

O importante é resistir ás altas temperaturas e secar o cabelo a frio.

«Se optar por utilizar o secador, use na temperatura mais baixa e mantendo distância adequada do couro cabeludo para um menor dano térmico possível» explica Camila Saab, médica especialista em dermatologia e medicina do Envelhecimento Saudável.

À noite, como fazer?

E para quem lava o cabelo à noite e dá aquela preguiça de o secar?

Ao estar húmido, e segundo Tim Morre, o cabelo perde toda a sua resistência e força, acabando por ser mais propenso a fracturas. Assim, quem lava o cabelo à noite deve tirar o excesso de +agua com a tolha, nunca esfregando. Use o secador, por alguns minutos, na temperatura média. Use sempre protetor térmico capilar.

Em contacto com a almofada e molhados, os seus fios de cabelo vão partir-se muito mais facilmente.

Além disso, o cabelo molhado favorece o surgimento de fungos e bactérias, responsáveis por descamações e quedas.

 

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS

Saiba por que nunca deve deixar o cabelo secar ao ar

Levamos a vida a ouvir que o melhor é afastar os cabelos do secador. Agora, há quem venha afirmar o contrário.