Anos de cão não passam de um mito. Saiba a verdadeira idade do seu amigo de quatro patas

Um novo estudo vem revelar que os anos de cão não passam de um mito e dá a conhecer a verdadeira idade dos amigos de quatro patas.

Anos de cão não passam de um mito. Saiba a verdadeira idade do seu amigo de quatro patas

Anos de cão não passam de um mito. Saiba a verdadeira idade do seu amigo de quatro patas

Um novo estudo vem revelar que os anos de cão não passam de um mito e dá a conhecer a verdadeira idade dos amigos de quatro patas.

Existe uma regra básica à qual as pessoas recorrem quando querem saber a idade de um cão. Que passa por multiplicar o número de anos do amigo de quatro patas por sete. Mas será que esta é a melhor forma de saber a idade precisa do seu animal de estimação? A resposta é não! Isto de acordo com um estudo realizado pela Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, Estados Unidos da América. Que avança com a melhor fórmula para calcular a idade dos cães.

Dois bons motivos para não deixar que o seu cão lhe lamba a cara
É uma imagem encantadora, que fica sempre bem numa fotografia, e que mostra o carinho que o cão tem por si.

Dizer que um cão envelhece sete anos humanos em um é falso. Isto porque, defendem os autores do trabalho, os animais não envelhecem na mesma proporção dos humanos. Ou seja, envelhecem de forma mais veloz numa fase inicial da vida. Algo que deixa de acontecer por volta dos sete anos. “Isso faz sentido. Afinal, uma cadela de nove meses pode ter filhotes, então já sabíamos que a proporção de 1:7 não era uma medida precisa de idade”, salienta Trey Ideker, autor do estudo, através de um comunicado.

“Isso faz sentido. Afinal, uma cadela de nove meses pode ter filhotes”

Para chegar à idade precisa o estudo, publicado na Cell Systems, analisa o relógio epigenético. Que é aquele que determina a idade de uma célula. Isto com base em processos químicos como a metilação “Nós olhamos sempre para os humanos, mas os humanos são um pouco chatos”, explica Ideker. “Então ela [Tina Wang, coautora do estudo] convenceu-me que deveríamos estudar o envelhecimento dos cães de maneira comparativa”, acrescenta.

Foram então analisadas amostras de sangue de 105 labradores. O que mostrou que os genes de um cão de um ano estão próximos de um humano de 30 anos. Um filhote de quatro anos é idêntico a uma pessoa de 52 anos. Quando um cão atinge a adolescência, está mais próximo de uma pessoa de 70 anos. E não de uma de 100, como indica a antiga fórmula. O autor do estudo salienta que uma das desvantagens do trabalho é o facto de só terem sido testados labradores.

Texto: Bruno Seruca; Fotos: Shutterstock

Impala Instagram


RELACIONADOS