Afinal, quantas horas deve deixar os seus filhos em frente ao ecrã?

Afinal, quantas horas deve deixar os seus filhos em frente ao ecrã?

O uso excessivo dos ecrãs aumenta o risco de desenvolvimento de obesidade, de ataques cardíacos e enfartes, bem como doenças oculares e de coluna.

Feitas as contas, entre televisões, telemóveis, tablets e computadores, uma família poder ter em casa mais de 10 ecrãs. Um painel de médicos da American Heart Association (Associação norte-americana do Coração) lançou um aviso aos pais para que limitem o contacto das crianças com os ecrãs por um máximo de duas horas diárias. Já a Academia Americana de Pediatria alerta para o facto de por cada hora que uma criança passa em frente ao ecrã ela perde cerca de 50 minutos de interação com os pais.

Vários estudos mostram que cerca de 60% dos pais não têm controlo sobre o uso da tecnologia dos filhos e 75% dessas crianças estão autorizadas a ter equipamentos eletrónicos no quarto.

LEIA MAIS: Baby Led Weaning, a nova forma de alimentar os bebés

Após rever inúmeros  estudos sobre o uso detrimental do ecrã na saúde, afirmam que, em média, jovens entre os oito e os 18 anos permanecem mais de sete horas por dia a olhar para ecrãs.

Por ecrãs, fala-se de ecrãs de telemóveis ou tablets, ou computadores, uma vez que o uso da televisão está a decrescer nesta faixa etária.

Este uso excessivo dos ecrãs aumenta o risco de desenvolvimento de obesidade, de ataques cardíacos e enfartes, bem como doenças oculares e de coluna.

“Quando possível, todas as atividades que têm como base ecrãs devem ser reduzidas, de modo a mitigar os riscos que acarretam”, afirma a médica  Tracie Barnett.

É ainda aconselhado que os próprios pais sirvam de exemplo e também eles reduzam o tempo passado em frente a um ecrã. Mais ainda, aconselha-se que todos estes aparelhos fiquem fora do quarto na hora de dormir.

Siga a Impala no Instagram

Impala Instagram


RELACIONADOS