Equipa de jornalistas da TVI ameaçada de morte: “Deram-nos dez minutos”

Uma equipa da TVI que está em França para investigar o homicídio de Diana Santos foi ameaçada de morte. A portuguesa foi encontrada decapitada e desmembrada num edifício abandonado em Mont-Saint-Martin.

Equipa de jornalistas da TVI ameaçada de morte:

Equipa de jornalistas da TVI ameaçada de morte: “Deram-nos dez minutos”

Uma equipa da TVI que está em França para investigar o homicídio de Diana Santos foi ameaçada de morte. A portuguesa foi encontrada decapitada e desmembrada num edifício abandonado em Mont-Saint-Martin.

Uma equipa da TVI e da CNN Portugal que está em França para investigar o homicídio de Diana Santos foi ameaçada de morte. Esta portuguesa, natural de Vila de Conde, foi encontrada decapitada e desmembrada num edifício abandonado nas imediações da Câmara de Mont-Saint-Martin. Os jornalistas do canal de Queluz de Baixo foram até ao local.

Para ler depois
Marido de Sónia Jesus fica preso até 2023 após juiz recusar pedido de libertação (… continue a ler aqui)

Na reportagem emitida no “Jornal da Uma” desta quinta-feira, dia 6, a enviada especial da TVI Ana Botto contou tudo. “Estamos numa zona problemática, junto a um bairro em Mont-Saint-Martin, uma zona de consumo e tráfico de droga. O chefe da zona ameaçou-nos de morte e deu-nos apenas dez minutos para recolhermos imagens”, disse, na peça que foi emitida naquele bloco noticioso e que pode ver aqui.

Diana Santos vivia no Luxemburgo há vários anos. O corpo foi reconhecido por um ex-namorado através das tatuagens. O filho, Kiko, de 22 anos, também ajudou na identificação do corpo da mãe.

Na reportagem da TVI, com imagens de João Franco, é possível assistir a um vídeo caseiro, feito por Diana Santos a 11 de setembro, oito dias antes de o seu corpo ter sido encontrado. Os jornalistas estiveram ainda junto à casa, no Luxemburgo, que Diana terá arrendado e na qual viveria com homem de nacionalidade marroquina com quem, alegadamente, se casou por conveniência e de forma a que este obtivesse documentos.

O cadáver da portuguesa, que morreu aos 40 anos, estava com as pernas serradas pelo joelho e os braços separados do corpo. A cabeça não chegou a ser encontrada.

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: TVI

Impala Instagram


RELACIONADOS