Saiba quanto é que Teresa Guilherme vai ganhar no Big Brother

Teresa Guilherme foi chamada a apresentar a edição do Big Brother intitulada A Revolução, que se estreia em meados de setembro. A também produtora vai ganhar por cada gala que conduz.

Saiba quanto é que Teresa Guilherme vai ganhar no Big Brother

Saiba quanto é que Teresa Guilherme vai ganhar no Big Brother

Teresa Guilherme foi chamada a apresentar a edição do Big Brother intitulada A Revolução, que se estreia em meados de setembro. A também produtora vai ganhar por cada gala que conduz.

O regresso de Teresa Guilherme ao Big Brother está marcado para 13 de setembro, data em que se deverá estrear BB – A Revolução. O anúncio da sua contratação para voltar a dar a cara pelo reality show  da TVI foi feito a 4 de agosto, depois de negociações feitas com o diretor-geral do canal, Nuno Santos, em enorme secretismo, e apanhou todos de surpresa.

Sabe-se agora que Teresa vai ganhar qualquer coisa como 5 mil euros por cada gala do programa que conduzir. A estes somam-se outros valores, caso seja chama à emissões Extra e caso as nomeações aconteçam num outro dia que não aos domingos. No total, avança a TV Mais, Teresa Guilherme deverá auferir cerca de 20 mil euros por mês.

Este valor será superior ao pago a Cláudio Ramos, que trocou a SIC pela TVI por 12 mil euros mensais para se estrear na apresentação do mesmo formato. Cláudio terá sabido que a próxima edição não contaria consigo apenas na na sexta-feira, 31 de julho, por Nuno Santos e Cristina Ferreira, que regressou a Queluz de Baixo como Diretora de Entretenimento e Ficção.

Feitas as contas às galas semanais, Teresa deverá levar para casa quase 100 mil euros.

Big Brother com 20 mil inscrições

Nuno Santos revelou, à margem das gravações da próxma novela do canal, Bem me Quer, que este novo reality show teve cerca de «20 mil» inscritos, mais cinco mil do que o BB2020, que terminou a 2 de agosto. Em julho, a TVI tinha adiantado que «as inscrições para o Big Brother- A Revolução já ultrapassaram em dobro as que no mesmo período havia sido conquistado, numa clara demonstração da popularidade e vontade dos portugueses voltarem a aderir ao reality da TVI e de entrarem na casa do Big Brother».

Recorde-se que o primeiro Big Brother, em 2000, teve apenas 4 mil inscrições. Era um programa desconhecido dos espectadores, mas após a sua estreia, a curiosidade fez com que os portugueses aderissem em massa à segunda edição, que recebeu mais de 120 mil inscrições.

 

Texto: Ana Filipe Silveira; Fotos: Reprodução redes sociais

 

Impala Instagram


RELACIONADOS