Oceana Basílio recorda os anos em que foi consumidora de cocaína e heroína

«Eu achava que era muito mais forte», contou Oceana Basílio

Oceana Basílio recorda os anos em que foi consumidora de cocaína e heroína

«Eu achava que era muito mais forte», contou Oceana Basílio

Oceana Basílio partilhou o lado menos conhecido e mais intimista com Júlia Pinheiro, no programa desta sexta-feira, dia 21. Questionada pela apresentadora de Júlia sobre o passado ligado às drogas pesadas, a atriz recordou os três anos em que foi consumidora de cocaína e heroína. O consumo destas substâncias ilícitas começou quando Oceana Basílio tinha 18 anos, dois anos depois de ter chegado a Lisboa para estudar teatro e seguir a carreira na representação.

«Foi uma fase, foram três anos, já fez 18 anos. É óbvio que faz parte da minha vida, faz parte de mim, dessa minha vontade de viver… faz parte, mas não me define, os meus 40 anos de vida», conta.  «Os meus pais ficam mais tristes quando se toca nesse assunto, precisamente porque foi uma fase que eles não se aperceberam e para eles quase não existiu», diz.

«Hoje em dia a única coisa que faço é, sempre que posso, na minha vida privada, ajudo quem quer ser ajudado. De resto não foi uma coisa que eu quisesse partilhar, alguém partilhou por mim, depois no Alta Definição eu achei que era o sítio correto para falar sobre o assunto. Passou, está vivido», acrescenta.

Oceana Basílio começou a consumir para ajudar outra pessoa

Oceana Basílio desvenda que começou a consumir drogas para ajudar outra pessoa porque pensou ser fácil mostrar que era possível parar com o vício rapidamente. «Eu achava que era muito mais forte do que qualquer coisa e quis provar a essa pessoa era fraca e que estava a ajudá-la e que eu conseguia. Portanto, não pensem que isso é possível», aconselha.

«Fiz tudo o que poderia fazer para voltar uma melhor pessoa e voltei uma melhor pessoa, sem dúvida, muito mais humilde, a respeitar melhor o Mundo, a perceber que esse mundo que eu queria viver tem fragilidades e que eu própria tenho fragilidades e aceito…», acrescenta. Oceana recorreu ao grupo dos Nárcoticos Anónimos para conseguir livrar-se do vício. O apoio da família, nomeadamente do pai, foi fundamental para superar esta fase menos boa: «Nos momentos mais importantes de transição da minha vida foi [a ajuda] do meu pai, com a sua dureza e inteligência emocional».

Depois, a estrela da SIC, que neste momento faz parte do elenco da série Golpe de Sorte, admite que tem passado muito para provar que não é só uma cara bonita no mundo da televisão. «Eu já o senti, já me foi dito diretamente… é injusto assim como há mulheres não tão telegénicas e que, se calhar, também não trabalham por isso. Muitas vezes, ia a audições de teatro e escondia-me, ia muito mais tapada, mas depois chegou a uma altura que eu disse: ‘eu sou como sou e não tenho de provar nada a ninguém!’», revela.

Júlia Pinheiro abordou ainda o lado casamenteiro de Oceana Basílio, que já fez de cupido para diversas amigas, que hoje vivem felizes com as caras-metades. «Sou a única solteira com uma filha. Para os outros sou ótima», diz. Além disso, a estrela da SIC também já ajudou uma amiga a ganhar mais auto-estima. «Eu dou sempre tudo aos outros. Eu amo pessoas, pessoas divertidas, alegres, eu gosto de as ver bem. Faz parte da amizade, eu gosto de ver as pessoas felizes», remata.

Texto: Ricardina Batista; Fotos: Impala

 

Impala Instagram


RELACIONADOS