Novidade: Duas amigas criaram uma marca de roupa para as «mais gordinhas»

O mercado das «gordinhas» é cada vez mais uma procura. São muitas as mulheres que vestem acima do 42/44 e são também muitas as que pouca oferta encontram nas lojas. Por isso mesmo, a aposta no plus size é cada vez mais uma realidade.

Novidade: Duas amigas criaram uma marca de roupa para as «mais gordinhas»

O mercado das «gordinhas» é cada vez mais uma procura. São muitas as mulheres que vestem acima do 42/44 e são também muitas as que pouca oferta encontram nas lojas. Por isso mesmo, a aposta no plus size é cada vez mais uma realidade.

Com o objetivo de colmatar esta necessidade, surgiu a «The Curve Shop». «A marca surgiu com o intuito de aumentar o leque de opções para as pessoas que vestem tamanhos grandes. Encontrar diversidade em números até aos 42/44 ainda é relativamente fácil e existem lojas com esta oferta. A partir do 46 a tarefa torna-se bem mais complicada. Para além de ser difícil encontrar estes números, a variedade de ofertas das próprias peças é diminuta. Normalmente, o que mais se vê são peças sem formas e sem muita cor», começa por contar ao site Crescer, Aimee Guerra, uma das mentoras deste projeto, que nos explica também como surgiu a ideia de, juntamente com a sua amiga, Rita Duarte, criarem esta marca. «Ao criar a The Curve Shop, queremos colmatar duas grandes falhas do mercado: dar mais opções de tamanhos às mulheres e vender peças mais alegres e bonitas e com um corte que assenta as formas mais generosas», conta, acrescentando: «Nós estamos as duas como freelancers e queríamos efetivamente fazer mais pelo mercado do plus size. Não só por nós, mas pelas mulheres que passam pelo mesmo que nós. Então em conversa, e depois de estudar mais o mercado nacional e internacional e ver a ofertas existente, resolvemos arriscar. Ambas vestimos tamanhos grandes e que sabemos, por experiência própria, quais as dificuldades em vestir roupas plus size em Portugal.»

E será que o mercado para as mais «gordinhas» ainda é pouco abordado? «Felizmente, nos últimos dois anos, o mercado plus size tem sido cada vez mais falado. Primeiro, porque existem cada vez mais modelos de renome que fogem aos padrões tradicionais. Em segundo lugar, porque esta mudança no paradigma veio reforçar às necessidade das mulheres que vestem tamanhos grandes. Existem mercados onde a comercialização do plus size de forma generalizada já é uma realidade. No entanto, em Portugal, as coisas são um pouco diferentes, a oferta ainda não é vasta e quando existe é, por norma, cara», explica Aimee Guerra.

Em que se diferencia esta marca de outras marcas existentes?

A «The Curve Shop» quer ser diferente pela existência de uma grande variedade de números (do 46 ao 54), mas não só! «É também pela seleção das peças. Para já, não temos muitas peças disponíveis pois estamos a começar. Temos de crescer devagarinho e queremos ouvir o que o nosso público tem para nos dizer. Como estamos a entrar na época balnear, escolhemos fatos de banhos modernos, com cortes indicados para tamanhos grandes e com muita cor. Escolhemos também alguns vestidos e roupa de praia», conta.

E qual o principal objetivo na escolha das peças? «São escolhidas de acordo com a estação do ano. Contudo, queremos também criar junto do público o à vontade para nos dizerem o que procuram e o que precisam, visto que esta opção não existe no nosso mercado», realça.

São muitas as mulheres que, quer antes, quer depois da gravidez, não aceitam o seu corpo. E por isso mesmo, há cada vez apostas neste mercado plus size.

Recorde aqui uma reportagem sobre o «Estado de Espírito XL».

Impala Instagram


RELACIONADOS