Em lágrimas, Madalena Aragão revela que avó morreu de covid-19 e faz apelo [vídeo]

Madaldena Aragão está de luto pela morte da avó, vítima da covid-19. Nesta quarta-feira, a atriz, de 15 anos, coloca um vídeo nas redes sociais e, enquanto desaba em lágrimas, lê um texto emocionante sobre a situação pandémica.

Em lágrimas, Madalena Aragão revela que avó morreu de covid-19 e faz apelo [vídeo]

Em lágrimas, Madalena Aragão revela que avó morreu de covid-19 e faz apelo [vídeo]

Madaldena Aragão está de luto pela morte da avó, vítima da covid-19. Nesta quarta-feira, a atriz, de 15 anos, coloca um vídeo nas redes sociais e, enquanto desaba em lágrimas, lê um texto emocionante sobre a situação pandémica.

Madalena Aragão chora morte da avó, vítima de covid-19. A atriz, em lágrimas, colocou um vídeo, nesta quarta-feira, dia 20 de janeiro, nas redes sociais e mostrou-se a ler um texto sobre a situação pandémica.

A atriz, que já integrou o elenco de novelas como “Quer o Destino”, da TVI, e “Nazaré”, da SIC, filmou-se enquanto lia um emocionante texto sobre a situação atual em que todos vivemos, devido à covid-19, de mexer com os sentimentos de qualquer um. Fiz um texto sobre o que estamos a passar neste momento e queria ler para vocês. O meu nome é Madalena Aragão e decidi hoje falar sobre este tema que nos dá tanta angústia a todos. Começo por vos contar as causas que me empurraram para fazer este vídeo”, começou por dizer.

“Não a abraçávamos desde março”

Aos 15 anos, Madalena viu a avó morrer devido ao vírus e não esconde toda a tristeza e desespero que sente. “Faz hoje exatamente uma semana. A avó que nem eu, nem as minhas irmãs, a minha mãe, os meus tios, abraçávamos desde março. Mas nós estamos cá todos e podemos chorar no colo uns dos outros. Só que ela morreu sozinha, sem os nossos mimos, sem o nosso toque, sem os nossos beijos, sem as nossas mãos nas mãos dela, sem lhe limparmos as lágrimas do medo e da solidão de estar a morrer sozinha”.

A irmã mais velha de Madalena Aragão, concluiu recentemente o curso de Medicina e já se encontra a trabalhar num hospital. “Diariamente, assistimos à angústia e desespero da minha irmã Maria que, quando vem a casa, conta-nos histórias do senhor Aníbal, ou da dona Amélia, que faleceram porque não conseguiram ser acudidos a tempo. Conta-nos histórias de médicos, enfermeiros, pessoal auxiliar que choram por não conseguirem salvar vidas, que podiam ser salvas até facilmente e que não o são agora, por impossibilidades”, disse.

Veja o vídeo:

 

 

“Isto está a acontecer, não é um filme”

Lavada em lágrimas, Madalena Aragão continuou: “Isto está a acontecer. Aqui, nas nossas vidas, no nosso tempo real. Não é um filme, não é uma série, é a nossa realidade”. A atriz assume ainda que, em grande parte, os jovens são “responsáveis pelas transmissões”, por não conseguirem “quebrar cadeiras”.

“Claramente que, na maior parte das vezes, nem nos apercebemos e achamos que está tudo bem, que está tudo certo. Convido-vos a fazer um exercício comigo. Fechem, por favor, os olhos por um segundo e vejam um avião comercial a despenhar-se à vossa porta, na vossa rua, mesmo em frente à vossa casa. Oiçam os gritos desesperados de quem quer viver e a vida está por um fio, observem que a maioria destes passageiros morre e. os poucos que sobrevivem, têm de ser tratados com muita urgência nos hospitais. Acreditem que isto que está a acontecer são quedas de aviões diárias. Está a cair um grande avião por dia em Portugal”, disse.

“Como assim, nós andamos ainda como se nada fosse? Como assim nós andamos em grupos a achar que está tudo bem?”, perguntou, aconselhando os jovens a andarem sempre com máscara, assim que saírem de casa. “Tenham cuidado, por favor, fiquem em casa, seguros, e utilizem sempre a máscara corretamente”, aconselhou.

Texto: Inês Borges; Fotos: Reprodução redes sociais

LEIA MAIS

Meteorologia: Previsão do tempo para sexta-feira, 22 de janeiro

 

Impala Instagram


RELACIONADOS