Judite Sousa faz reflexão emocionada “nada fácil” sobre a vida

Judite Sousa emocionou-se com a última entrevista de Miguel Sousa Tavares e escreveu um texto nas redes sociais sobre a vida e sobre as perdas.

Judite Sousa faz reflexão emocionada “nada fácil” sobre a vida

Judite Sousa emocionou-se com a última entrevista de Miguel Sousa Tavares e escreveu um texto nas redes sociais sobre a vida e sobre as perdas.

Judite Sousa fez uma reflexão sobre a vida na madrugada desta terça-feira, 5 de outubro. A jornalista viu a última entrevista da carreira de Miguel Sousa Tavares – a Marcelo Rebelo de Sousa – no Jornal das 8 e emocionou-se com a “voz trémula e as lágrimas quase a saltarem dos olhos” do colega.

LEIA DEPOIS
Luto, a dor de quem fica e as várias fases do seu processo

“Nas gavetas da vida, que guardamos no cérebro, vamos acumulando memórias, conquistas e desilusões, alegrias, tristezas e, no limite, tragédias. Neste bullying emocional em que vivemos, onde não temos certezas de nada, estamos mais stressados. E, porventura, mais sozinhos. Próximos e Distantes. Frágeis e Fortes. São as estradas da vida que nos levam a cair, a reerguermo-nos, a recomeçar ou, então, agarrados ao coração, a ficarmos a chorar baixinho”, considera Judite Sousa.

“Como é difícil libertarmo-nos”, desabafa Judite Sousa

“Lembrei-me destas palavras quando ontem senti a voz trémula e as lágrimas quase a soltarem dos olhos do Miguel Sousa Tavares. E pensei como é difícil libertarmo-nos de uma profissão que nos está colada à pele e, ainda mais difícil, quando se jogou na roleta da vida, se perdeu tudo e há uma voz (António Lobo Antunes falava na voz que inspirava a sua prosa) que nos diz ‘vive uma nova história, dá uma nova oportunidade a ti mesma'”, disse ainda.

LEIA TAMBÉM
Bárbara Guimarães e os segredos em tribunal sobre Manuel Maria Carrilho

Judite Sousa revela ainda que tem andado a escrever sobre estes sentimentos, não revelando, porém, se se trata de um novo livro ou apenas reflexões que passa para o papel: “Qualquer que seja a adesão à realidade, é à volta das forças e fraquezas nesta era da globalização digital que tenho andado a escrever nestes últimos meses. Não é fácil. A escrita pode ser um exercício de uma forte violência psicológica. Vamos ver”.

Texto: Patrícia Correia Branco;
Fotos: Impala e Reprodução redes sociais

Impala Instagram


RELACIONADOS