Fernando Pereira «Levei um tiro num braço e fiquei sem reação…a ver o sangue»

Fernando Pereira, ex-jurado d’A Tua Cara Não Me É Estranha, abriu o coração numa entrevista intimista concebida a Fátima Lopes para o programa Conta-me Como És, da TVI.

Fernando Pereira «Levei um tiro num braço e fiquei sem reação…a ver o sangue»

Fernando Pereira, ex-jurado d’A Tua Cara Não Me É Estranha, abriu o coração numa entrevista intimista concebida a Fátima Lopes para o programa Conta-me Como És, da TVI.

Fernando Pereira, ex-jurado d’A Tua Cara Não Me É Estranha, TVI, abriu o coração numa entrevista intimista concebida a Fátima Lopes para o programa Conta-me Como És deste sábado, dia 12 de setembro. O artista recordou o tiroteio que o deixou ferido, os anos de glória da sua vida profissional e ainda outros momentos marcantes que não poderiam ficar esquecidos.

Desde pequeno que esteve ligado ao mundo da música, altura em que percebeu o dom da sua voz: «Na minha família, os meus pais, os meus primos, toda a gente cantava. Nasci no seio de uma família ligada à arte  e à musica», revelou a Fátima Lopes, explicando que «tem uma capacidade incrível [de imitação] que não sabe explicar como e porquê».

Já durante a adolescência, viveu momentos que o marcaram para o resto da vida. Levou um tirou e chegou a ser preso pela PIDE na altura do 25 de abril. «Íamos para as aulas e, de repente, a escola estava fechada. Houve um momento, um grupo de jovens, que gritava viva à liberdade.. A PIDE colocou-se à janela e levei um tiro num braço. Fiquei sem reação, a ver o sangue, e foi este meu amigo [José Martins, amigo de infância] que me salvou a vida», recordou.

Fernando foi para o hospital de São José, mas quando saiu tinha alguém à sua espera. «Era um agente da PIDE. Fiquei preso», acrescentou, recordando ainda que chegou a levar «alguns tabefes».
«Tudo o que fiz na vida foi sempre tudo muito sofrido. Eu tive, graças a Deus…, aliás, tenho uma vida de sucesso, mas ao mesmo tempo muito sofrida, de muito suor, de muita pancada», continuou.

A perda dos pais

Além da vida profissional, Fernando Pereira é também um «homem de sucesso» como filho, como pai e como homem. Em conversa com Fátima Lopes fala das saudades que sente dos progenitores e revela como é o Fernando com pai.

«Eu adoro a minha família. Tenho uma memória de gratidão, de mimo. Os meus pais sempre fizeram de tudo para que nunca nada nos faltasse. Sempre respeitaram as nossa decisões. A minha mãe partiu no dia dos namorados e foi ter com ele [pai] presumo eu. Quando perdes um dos pais ficas sem chão, quando perdes o outro ficas sem teto. É um sentimento de vazio e tu sente que entre ti e o criador já não existe mais ninguém. Sinto que de alguma forma, apesar de não estarem fisicamente, estão nesta conexão espiritual.  Nós somos energia e seres espirituais, isso não tenho duvida nenhuma».
Já no papel de pai, Fernando mostra-se um homem orgulhoso. «Os meus filhos nunca disseram que eram filhos do Fernando Pereira. Foram educados, desde criança, a ouvir que o nome do pai não interessa para nada. Apenas eles.»

«Eles são a minha vida. Tudo aquilo que eu podia, de alguma forma, transmitir de valor, de ética, de amor ao próximo, seja ele quem for e como for. Somos, apesar de tudo, amigos e companheiros».

O novo amor aos 50 anos

Ao longo da conversa, Fátima leu uma carta de amor de São, a atual companheira de Fernando, depois de lhe mostrar um objeto antigo [um microfone] guardado pela ex-mulher.
O artista emocionou-se com as palavras de afeto e confessou: «Sempre tive, obviamente, os meus relacionamentos mas nunca pensei, aos 5o e tal anos, em me apaixonar novamente. Quando as pessoas pensas que deixamos de nos apaixonar porque envelhecemos, é exatamente ao contrário, nós envelhecemos quando deixamos de nos apaixonar», conta.

Texto: Márcia Alves; Fotos: Reprodução Instagram

 

Impala Instagram


RELACIONADOS